Paratleta Edênia Garcia escreve para a espnW

0

A paratleta Edênia Garcia escreveu para a espnW nesta quinta-feira (02) sobre os resultados World Series 2019.

Avalanche de recordes mundiais no World Series 2019

Olá, meninas.

Na última semana aconteceu simultaneamente duas etapas do World Series de natação Paralímpica, aqui em São Paulo e também em Glasgow, Inglaterra. O que me surpreendeu foi o nível técnico da natação Paralímpica feminina, ao todo foram seis RECORDES MUNDIAIS. Sim, seis recordes mundiais! Surpreendente!

Maria Carolina São Paulo
Maria Carolina São Paulo © Comitê Paralímpico Brasileiro

No Open Internacional de Atletismo e Natação, em São Paulo, a natação teve sua grande protagonista; Maria Carolina Santiago, a pernambucana quebrou o recorde mundial dos 100m peito SB12 (baixa visão) duas vezes, cravando nas eliminatórias 1min14s94 e nas finais esmagou novamente o recorde mundial, com 1min14s79. Maria Carolina quebrou não somente o recorde mundial como também o jejum brasileiro feminino que durava 15 anos. O recorde é de Atenas 2004 quando Fabiana Sugimori estabeleceu o novo recorde mundial nos 50m livre S11 (cego total), desde então nenhuma mulher voltou a quebrar recorde mundial. Nada mal para o início de temporada de competições internacionais no Brasil!

Elena Krawzow Glasgow
Elena Krawzow Glasgow British Swimming

Enquanto recordes e mais recordes eram quebrados aqui no Brasil, em Glasgow- Inglaterra não era diferente, alemã Elena Krawzow, estraçalhou o recorde anterior dos 100m peitos SB12 (baixa visão), da brasileira Maria Carolina, diminuindo a marca em 77 centésimos, cravando 1min14s02. O recorde durou poucas horas, isso nos diz que em um futuro próximo a piscina vai tremer com essa disputa.

Alice Tai, Glasgow 2019
Alice Tai, Glasgow 2019 @georgiekerr for @britishswimming

Outro nome de destaque em Glasgow é da Britânica Alice Tai, da categoria S8, que estabeleceu dois novos recordes mundiais nos 100m costas com 1min08s09 na tarde do último dia 27, e na manhã seguinte, 28, voltou a estabelecer novo recorde mundial, desta vez, nos 50m livre S8 (deficiência física), cravou 29s66. Já no Brasil, simultaneamente, a brasileira Cecilia Araujo também quebrava seu próprio recorde das Américas nos 50m livre S8, com 30s69. Certamente os Jogos Parapan Americanos de Lima será de altíssimo nível!

Ellie Challi em Glasgow 2019
Ellie Challi em Glasgow 2019 British Swimming

Vamos abrir um parêntese para as provas não Paralimpicas, que também teve recorde mundial destruídos. Os dois nomes em destaque entre os classe-baixas (atletas com deficiência severa) ficou por conta da Britânica Ellie Challis, atual recordista dos 50m peitos Sb2 com 1:05.42 e o brasileiro Gabriel Geraldo, detentor do recorde mundial dos 50m borboleta S2 com 1min05s44. Sempre uma alegria ver o número de atletas com deficiência severa aumentar!

Edênia Garcia momento após ver seu tempo- São Paulo
Edênia Garcia momento após ver seu tempo- São Paulo Daniel Zappe

E para finalizar com mais notícias boas, no último dia 26, fiz os índices necessários para compor as seleções brasileiras do Parapan de Lima 2019 e Mundial em Londres 2019 e também estabeleci o melhor tempo do mundo nos 50m costas. Será meu quinto Jogos Parapan americanos e sétimo mundial, parece surreal estar mais um ano na Seleção brasileira.

Estejam atentas, 2019 já está sendo um ano incrível para o esporte paralímpico feminino!

Forte abraço,

Edênia Garcia