O Homem Banda conquista crianças e familiares no Instituto Ingo Hoffmann

0
Homem Banda no Ingo Hoffmann
Homem Banda no Ingo Hoffmann

Apresentação teatral da companhia Cia1Péde2 foi comandada pelo ator Mauro Lauro Paulo em Campinas (SP)

 

As crianças e familiares abrigados no Instituto Ingo Hoffmann puderam voltar a sorrir e sonhar, após meses de isolamento social, numa tarde de muito teatro, música e circo. Nesta quinta-feira (5), a peça “O Homem Banda”, apresentada pelo ator Mauro Lauro Paulo, da companhia Cia1Péde2, marcou o retorno dos espetáculos à instituição.

A apresentação realizada na instituição em Campinas (SP), voltada para o atendimento das crianças em tratamento de câncer e seus pais, faz parte do projeto Famílias do Instituto em Ação – Cultura. O objetivo é levar arte, teatro e música para as famílias.

A peça comandada por Mauro Lauro Paulo levou uma verdadeira orquestra de um homem só, com mais de 20 instrumentos musicais, para a apresentação de 50 minutos. O grande trunfo de Mauro é a interação com a plateia, que surpreendeu o artista participando o tempo todo.

“Eu estava bastante apreensivo, porque tivemos que adaptar a peça, com a presença da divisória de acrílico, e não sabia como seria a recepção do público. Mas a experiência foi das melhores. Estar perto do público, mesmo que separado pelo acrílico, e sentir a energia da platéia, é algo que alimenta o artista”, celebra o ator Mauro Lauro Paulo. “Espero que para eles também tenha sido um alimento. Que eles possam, pelo menos nesses breves momentos de espetáculo, esquecer o que está acontecendo lá fora e se permitir ser feliz. Deu para ver no rosto das crianças e seus pais que o espetáculo chegou até eles. Espero que o projeto continue e que mais alternativas como essa, para a arte acontecer, sejam criadas.”

A arte circense conquistou não só a criançada, mas também os pais, que curtiram momentos de muita felicidade. “Foi uma peça maravilhosa, eu gostei muito, as crianças também adoraram. E é importante ter essas peças aqui, porque até ajuda no tratamento do câncer”, destacou Camila de Souza.

Cuidados especiais com as famílias

A volta dos espetáculos teatrais ao Instituto Ingo Hoffmann foi possível graças a uma série de medidas de segurança e cuidados com as famílias atendidas no local, em relação à pandemia de Covid-19. Além da instalação da divisória de acrílico no palco, toda a equipe envolvida na apresentação usou máscaras. E a FDS Beauty, em parceria com o projeto, distribuiu álcool em gel para todos.

Outras duas apresentações já estão programadas para este mês, nos dias 19 e 26. O projeto também retomou, em outubro, as oficinas de música, artes plásticas e literatura, seguindo todas as medidas de segurança e cuidados sanitários vigentes.

A viabilidade do projeto de cultura, denominado Calendário de Atividades Socioculturais – Plano Anual | Ano 2, se dá através da Lei de Incentivo a Cultura, programa de incentivo do Ministério da Cidadania e tem como patrocinadores: DHL, ABL Antibióticos do Brasil, Sodexo, Banco Safra, Usina São Domingos, Besins Healthcare, Alibra e 2º Tabelião de Protesto de Campinas, com elaboração, capitação e execução da Behind Esporte e Cultura.

O Instituto

O Instituto Ingo Hoffmann é uma entidade beneficente e sem fins lucrativos fundado em 31/08/2005, tendo como missão inicial proporcionar maior oportunidade de cura para crianças em tratamento de câncer, através de uma parceria com o Centro Infantil Boldrini no projeto denominado Casa de Apoio à Criança e à Família. Trata-se de um modelo de moradia temporária.

No total são 30 chalés, divididos em 10 vilas, construídos em um terreno com mais de 6.000 metros quadrados, localizado ao lado do edifício da Radioterapia do hospital. Além das acomodações, o local possui brinquedoteca, biblioteca, academia interna e externa, refeitório e lavanderia.

O objetivo da Casa da Criança e da Família é abrigar crianças em tratamento intensivo de câncer e seus acompanhantes, vindos de diversas regiões do Brasil e da América Latina para fazer tratamento no Centro Infantil Boldrini, e que não têm condições de serem mantidas por suas famílias fora de suas casas.

Mais informações em: http://www.ingohoffmann.org.br