Fórmula E: Charlie Martin e a luta para fazer história LGBT no automobilismo

0
Foto: Fórmula E

“GoCharlie” é mais do que apenas um slogan cativante para a piloto de corrida Charlie Martin, é um modo de vida que a levou a algumas batalhas difíceis, e a está capacitando a fazer história LGBT no automobilismo.

Martin estava prestes a se tornar a primeira piloto trans a participar das cansativas 24 Horas de Le Mans antes que a pandemia de coronavírus atrapalhasse.

Mas lidar com contratempos e adversidades faz parte da identidade da pilota britânica de 38 anos.

“Eu enfrentei muitos desafios quando criança”, disse Martin, que perdeu os pais por causa do câncer, primeiro o pai aos 10 anos e depois a mãe aos 23.

Martin acredita que essas perdas iniciais a forçaram a ser mais “resiliente e independente”, quando ela também estava aceitando ser transgênero.

“Acho que minha maior luta foi perceber, em tenra idade, que sou transgênero”, lembrou Martin dos dias que antecederam o suporte ou a informação facilmente disponível. “A única vez que vi alguém como eu, eles foram apresentados em um contexto muito negativo”, acrescentou.

“Então você pode imaginar como isso é incrivelmente prejudicial para alguém crescer e entender quem ela é, porque você sente que há algo errado com você e as pessoas não o aceitam por quem você é”.

Desde então, Martin se tornou uma campeã do Stonewall e usa sua plataforma no automobilismo para ampliar a aceitação, a conscientização e a visibilidade da comunidade LGBT.

“Uma das coisas que acho frustrante é a ideia de potencial não alcançado. Sinto que tinha muito potencial quando estava crescendo, mas não sabia como canalizar minha energia porque não estava vivendo como a pessoa que sou, não sabia como ser eu “, afirmou Martin.

Essa frustração foi o que levou Martin a ter sucesso no automobilismo: “Percebi que não seria aceito em muitas das carreiras em que estava interessado, principalmente no automobilismo.”

“Essa é uma das razões pelas quais agora estou tão apaixonada por usar minha visibilidade e meu papel no automobilismo para inspirar outras pessoas e apenas aumentar a conscientização, aceitação e empatia na sociedade, compartilhando minha história”.

Essa posição também permite que Martin compartilhe seu mantra de “sua montanha está esperando, então siga seu caminho” – uma mensagem positiva que ela usa para incentivar a si mesma e seus fãs a “aproveitar o dia” e perseguir seus sonhos. “Você nunca saberá do que é capaz, a menos que se empenhe e tente”, acrescentou.

Crescendo nos anos 80 e na era do filme Top Gun como a maioria das crianças, Martin sonhava em usar óculos de aviador e pilotar um avião de caça. Foi assim até que uma visita à pista de corrida com o pai de uma amiga mudou sua fantasia para a de um piloto de corrida, quando uma jovem Martin ficou encantada com o paddock repleto de carros velozes.

Um dos principais marcos de sua jornada no automobilismo foi quando ela quebrou o recorde em um evento de alpinismo francês em 2014, vencendo sua classe por três segundos, uma lacuna inédita nas subidas. Em 2017, ela começou a correr em circuitos, ficando em terceiro lugar na sua primeira corrida de resistência no circuito de Le Mans Bugatti e, no ano seguinte, alcançou o pódio em três rodadas do Ginetta GT5 Challenge.

No entanto, a busca pela inclusão no automobilismo não tem sido fácil, como explica Martin: “Eu enfrentei um pouco de adversidade por ser transgênero no automobilismo”.

“Não é como se eu me colocasse em algumas situações apenas para dizer a todos que sou transgênero, mas corri em equipes onde esse era o elefante na sala”.

Com as corridas do mundo real em espera, Martin agora é piloto regular no Desafio Race at Home da ABB Fórmula E em apoio a UNICEF.

“Eu nunca pratiquei kart ou algo assim”, explica Martin. “Então, minha introdução às corridas foi, na verdade, no PlayStation e Xbox e muito antes de eu chegar ao volante, foi onde tudo começou para mim.

Após ir do jogo para o mundo real, Martin se prepara para o inverso ao se alinhar para as corridas do Desafio Race at Home, enfrentando alguns dos mais rápidos pilotos de simuladores do mundo pela chance de pilotar um verdadeiro carro de Fórmula E, o Gen2.

Martin aceitou esse desafio e demonstrou mais uma vez sua resistência. Na corrida virtual do último fim de semana no fictício circuito Eletric Docks em Nova Jersey, Martin sofreu alguns danos no carro, mas, em vez de desistir, sua determinação a manteve na corrida, enquanto seus rivais mais experientes corriam um por um e eram eliminados.

“Estou adorando fazer parte disso”, diz Martin ao saborear a frenética competição no Race at Home Challenge, “é uma oportunidade tão grande para alguém que vem de corridas no mundo real e tem a chance de competir contra alguns dos mais talentosos pilotos virtuais”.

É essa determinação e força de vontade que está empurrando Martin em direção ao seu sonho de correr nas 24 horas de Le Mans.

“Quando eu era jovem, parecia uma vitória na loteria, pois é sem dúvida a maior corrida do mundo, para a qual sempre trabalhei para conseguir”, disse ela. “É um tipo de projeto a longo prazo para mim”.

Martin continua promovendo o esporte a motor e seu trabalho na comunidade LGBT. Como ela diz: “Estou apenas tentando mudar um pouco o mundo e torná-lo um lugar melhor”.