Renan Rossin escreve ao Lance!

0

O preparador físico da Seleção Brasileira de Polo Aquático, Renan Rossin, escreveu para o Lance! desta quinta-feira (25) sobre a participação no Mundial e expectativa para os Jogos Pan-Americanos de Lima.

A preparação física do Polo Aquático para os Jogos Pan-Americanos!

Renan Rossin é preparador físico da seleção brasileira de Polo Aquático e do Sesi-SP.

Oi pessoal do Lance! Sou o Renan Rossin, preparador físico da seleção Brasileira de Polo Aquático. Após o título da Copa América em Janeiro, nossa equipe agora se juntou para oito semanas de treinamento, sempre com dois períodos de treinos diários, visando o Jogos Pan-americanos de Lima, o principal campeonato do ano, em que o título garante vaga para os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020.

A preparação começou no Centro de Treinamento do Time Brasil no Parque Aquático Maria Lenk, no Rio de Janeiro, um dos melhores e mais completos do país, depois embarcamos para a Califórnia nos Estados Unidos. Lá tivemos a oportunidade de fazer jogos amistosos contra a seleção nacional da casa, nosso principal adversário no Pan. O próximo destino foi Xangai na China, foi mais uma semana intensa de treinamento, que serviu para nossa climatização, já que o fuso era o mesmo que encontraríamos no Mundial.

Chegando em Gwangju, na Coreia do Sul, uma grande estrutura foi montada para receber o 18º Campeonato Mundial de Esportes Aquáticos, com direto a uma “vila” com uma estrutura sensacional! Poder estar entre grandes atletas e treinadores de diversos países foi incrível. E nos jogos, quanta emoção estar em um campeonato Mundial com o nome do Brasil! Nos dois primeiros jogos enfrentamos duas fortes equipes europeias e já sentimos uma grande diferença no nível físico e técnico. O ritmo de jogo é outro, diferente do que vivenciamos em nossos campeonatos nacionais. Isso dificultou nosso jogo e fomos vencidos por Itália e Alemanha.

Nos jogos seguintes melhoramos e fizemos boas partidas, perdemos por pouco para o Japão, e vencemos a Nova Zelândia e o Cazaquistão, conquistando a 13º colocação no campeonato. Vale ressaltar que o nosso foco é chegar na melhor forma física para os Jogos Pan-Americanos de Lima e que continuamos a treinar dois períodos mesmo durante o campeonato.

Por isso saímos satisfeitos com o resultado e com a mentalidade de que podemos e devemos melhorar muito. Nesses dias, além dos jogos, pude visualizar e acompanhar alguns treinos das maiores e mais vitoriosas equipes da história do esporte, sendo as mais tradicionais do leste europeu, como Sérvia, Hungria, Croácia. A qualidade técnica e a intensidade física que colocam e mantêm durante o treino e todo o jogo foi o que mais me impressionou, simplesmente uma aula de Polo Aquático, que grande experiência!

Ainda temos duas semanas para aprimorar o condicionamento físico e principalmente ajustar os detalhes técnicos e táticos para vencer mais uma vez o Canadá e Estados Unidos e garantir a vaga olímpica.

O Polo Aquático Brasileiro tem muito a crescer, temos que pensar no longo prazo, trabalhar intensamente com nossas categorias de base, alimentando o sonho de buscar no futuro uma medalha olímpica na modalidade.