Coluna de Thiago Pereira no LANCE!

0

Natação: Uma questão de sobrevivência

A natação sempre foi associada à saúde, longevidade e, em casos como o meu, à competição. Por ser um esporte de pouco impacto é recomendado à pessoas de todas as idades, não havendo nenhuma restrição para a prática deste esporte. Acontece que a natação é muito mais do que uma modalidade esportiva, promoção da saúde ou de qualquer outro benefício físico ou psicológico que possa ser associado à esta. Natação, mais do que tudo, é sobrevivência.

Não sei se vocês sabem, mas comecei a nadar com dois anos de idade e o motivo que levou minha mãe a me colocar em uma aula de natação não foi o de me tornar um nadador profissional como hoje eu sou, mas sim porque eu me afoguei em uma piscina de um sítio durante um encontro de família. O afogamento, na maioria das vezes, acontece de forma rápida e silenciosa e o pior não aconteceu porque meu primo estava comigo e conseguiu me tirar da água.

Vocês imaginam quantas pessoas hoje perdem suas vidas por não saberem nadar? Não me refiro aqui a ser profissional nos quatro estilos, mas sim a noções básicas de sobrevivência na água. Os dados são alarmantes e nos mostram uma realidade que é assustadora: o afogamento é uma das principais causas de morte evitáveis no mundo, com uma média de 372.000 óbitos ao ano (segundo a Organização Mundial de Saúde).

O fato de o Brasil ser um país com um grande litoral, clima provavelmente quente e com extensa rede hidrográfica agravam ainda mais nossos dados, sendo o nosso país o terceiro do mundo com mais mortes por afogamento e sendo essa a segunda maior causa de morte entre as crianças.

Vale ressaltar que saber nadar não reduz a zero a chance de uma criança se afogar, mas segundo um estudo realizado pela Academia Americana de Pediatria, participar de aulas de natação pode reduzir esse risco em 88%.

Para aqueles que acham que já passaram da idade de aprender, ou que a natação é só mais um esporte como qualquer outro, aqui vai o meu apelo: saber nadar não é uma habilidade, mas sim uma necessidade.