Brasileiros sofrem com mau tempo na regata Transat Jacques Vabre

0

Estamos completamente molhados a bordo”. Como se não bastasse o desgaste físico por fazer uma travessia de 10 mil quilômetros em dupla, os brasileiros Eduardo Penido e Renato Araújo sofrem com as condições de mar e temperatura na disputa da Transat Jacques Vabre. A equipe do barco Zetra, que ocupava a oitava posição na atualização de placar desta quarta-feira (28) da categoria Class40, atravessa um dos piores trechos da prova: o Golfo de Biscaia. Os ventos com velocidade de quase 90 km/h e ondas enormes dificultam os trabalhos dos velejadores, que dificilmente ficam secos com tanta água entrando. ”Tem muita, mas muita água vindo por cima do barco. A noite anterior não foi tão tranquila como a primeira com vento soprando muito forte. A gente já esperava por essa condições no Golfo de Biscaia. As últimas horas foram muito duras pra gente, mas o barco segue respondendo bem. Em tese, o pior já passou!”, contou o velejador Renato Araújo.

Os velejadores indicaram que o barco tem um pequeno problema elétrico, mas que não afeta o desempenho deles. Outro detalhe que mostra a dificuldade da prova é a alimentação, como explicou Renato Araújo. ”A alimentação está mais complicada. Tá difícil comer tudo desidratado. Recorremos às barras de chocolate e às maçãs”.

O Zetra – primeiro barco brasileiro na história dessa regata – está no meio da flotilha dos Class40 e já começa a descer rumo à costa portuguesa. A diferença para o líder provisório, o Le Conservateur (Yannick Bestaven/Pierre Brasseur) é de 120 quilômetros. Em 72 horas, os brasileiros percorreram 950 quilômetros na Transat Jacques Vabre. A largada ocorreu no domingo (25), em Le Havre, na França. A chegada dos barcos será em Itajaí, em Santa Catarina.