Home Tags Posts tagged with "Brasil"

Brasil

Depois do show no Pan de Toronto, brasileiro busca ouro nos 200 m medley. Será seu sexto Mundial de piscina longa

Thiago Pereira estreia, nesta quarta-feira (5), no Mundial de Desportos Aquáticos de Kazan, na Rússia, na prova dos 200 m medley, sua favorita. O atleta do Minas Tênis Clube vai escrever mais uma página na história da natação nacional igualando o número de seis participações em mundiais de Flávia Delaroli, tendo representado o nosso país em Barcelona 2003, Melbourne 2007, Roma 2009, Xangai 2011, Barcelona 2013 e agora em Kazan 2015.

“Tenho orgulho de poder defender o Brasil em seis mundiais de piscina longa. Peguei o início da transição da geração do Gustavo Borges e do Fenando Scherer em 2003. Depois veio a consolidação da minha geração, que além dos brasileiros que sempre brilham, tem nomes como Michael Phelps e Ryan Lochte justamente nas minhas provas”, disse Thiago Pereira, que não participou da edição de Montreal 2005 por uma contusão.

E os recordes podem aumentar! Thiago Pereira é o maior medalhista da natação brasileira levando em conta os principais eventos mundiais. Nos campeonatos de primeira linha – Jogos Olímpicos, Mundiais de Longa, Mundiais de Curta, Jogos Pan-Americanos e Pan-Pacífico – o atleta de Volta Redonda (RJ) tem 33 medalhas ao lado de Gustavo Borges.

Motivação não falta para o nadador que acabou de se tornar o maior medalhista dos Jogos Pan-Americanos da história. O atleta tem a quinta melhor marca da distância na temporada: 1min57s42.

”Estou focado na minha principal prova! Nos 200 m medley fui bronze em Barcelona, quase pegando prata, faltando um centésimo. Estou motivado e pronto para ajudar o Brasil no evento”, contou o atleta.

Thiago Pereira é patrocinado pelos Correios e Speedo International Ltd. O nadador defende o Minas Tênis Clube, tem 29 anos e é natural de Volta Redonda (RJ). É dono de 23 medalhas pan-americanas, um recorde histórico. Em Londres-2012, o atleta conquistou a medalha de prata na prova dos 400 m medley.

O medalhista olímpico também é vice-presidente da Comissão de Atletas da FINA – Federação Internacional de Natação – e integrante das Comissões de Atletas do COB – Comitê Olímpico Brasileiro – e da Odepa – Organização Desportiva Pan-Americana.

 

Atleta nada os 400m medley e outras quatro provas na última seletiva para o Mundial de Kazan e Pan de Toronto

Antes de embarcar para o Troféu Maria Lenk, que começa na próxima semana, Thiago Pereira foi apresentado oficialmente no Minas Tênis Clube, nesta quinta-feira (2), em Belo Horizonte (MG). O atleta, que volta ao clube após cinco anos, defenderá a equipe até a Olimpíada de 2016. “Muito feliz de voltar pra casa. Foram momentos especiais que vivi aqui. Minha estreia no Pan e na Olimpíada. Um período de muito aprendizado e crescimento profissional”.

Thiago Pereira, que acabou de desembarcar de Los Angeles, nos Estados Unidos, terá uma maratona de provas em sua reestreia pelo Minas Tênis Clube. O medalhista olímpico está inscrito em cinco no Troféu Maria Lenk 2015, última seletiva para o Pan de Toronto e Mundial de Kazan, evento que ocorre na próxima semana, na piscina do Fluminense, no Rio de Janeiro (RJ). São elas: 100m borboleta, 100m costas, 200m peito, 400m medley e 400m livre.

“Estou preparado e bastante motivado para o Maria Lenk. Meu objetivo, além de conquistar mais índices para o Pan e Mundial, é ser campeão brasileiro de clubes pela primeira vez. Tenho mais de 30 títulos individuais e nunca fui por equipes”.

A surpresa da lista fica por conta dos 200 m peito, prova que Thiago Pereira não nada faz tempo. O atleta tentará o índice também nos 400m medley, prova da medalha olímpica em Londres-2012.

O nadador Thiago Pereira já garantiu índice nos 100m borboleta, 200m medley e atualmente tem o melhor tempo no borboleta para o revezamento quatro estilos.

“O Mundial e o Pan serão um grande parâmetro para a Olimpíada. A partir daí vou fazer os ajustes com meus treinadores. Comecei em setembro nos Estados Unidos e o treinamento é muito forte. A gente treina pesado o tempo inteiro”. Maior campeão pan-americano da história e medalhista no último mundial, Thiago Pereira fez toda sua preparação em Los Angeles, nos Estados Unidos, onde reside desde o ano passado. O nadador treina na Califórnia sob o comando de Dave Salo e Jon Urbanchek, ícones do treinamento de natação no mundo.

O atleta anunciou semanas atrás seu retorno ao Minas Tênis Clube, clube que teve a maior projeção nacional e internacional na modalidade. Pela equipe de Belo Horizonte, o nadador disputou dois Jogos Pan-Americanos e duas Olimpíadas, além de quebrar o recorde mundial de piscina curta em 2007.

Thiago Pereira é patrocinado pelos Correios, Speedo e Light. O nadador defende o Minas Tênis Clube, tem 29 anos e é natural de Volta Redonda (RJ). É dono de 18 medalhas pan-americanas, sendo 12 de ouro. Em Londres-2012, o atleta conquistou a medalha de prata na prova dos 400 m medley.

O medalhista olímpico também é vice-presidente da Comissão de Atletas da FINA – Federação Internacional de Natação – e integrante da Comissão de Atletas do COB – Comitê Olímpico Brasileiro.

Medalhista olímpico e maior campeão pan-americano retorna após cinco anos

“Volto para o local onde tudo começou em 2001. Foi no Minas Tênis Clube que ganhei minha maior projeção nacional e internacional na modalidade. Também será pela equipe que vou realizar o meu maior desafio, que é disputar a Olimpíada do Brasil, no Rio de Janeiro, em 2016”.

As palavras de Thiago Pereira demonstram sua alegria de retornar, depois de cinco anos, ao clube de Belo Horizonte. O atleta chegou à capital mineira com 16 anos de idade para morar em uma república e se tornou ícone da natação. No Minas Tênis Clube, o nadador disputou dois Jogos Pan-Americanos e duas Olimpíadas, além de quebrar o recorde mundial de piscina curta em 2007.

Pela primeira vez na história, Thiago Pereira e Cesar Cielo vão defender a mesma equipe. Certamente muitas medalhas e resultados positivos estão por vir. A primeira competição do atleta será no mês que vem, no Troféu Maria Lenk, no Rio de Janeiro. É a última seletiva para obtenção de índices para Toronto e Kazan.

“Agradeço aos clubes que defendi nos últimos anos e as instituições que me procuraram quando sai do Sesi-SP, no início do ano. Me sinto honrado de ser tão querido na natação brasileira. Continuo treinando em Los Angeles, nos Estados Unidos, sob a supervisão de Dave Salo e Jon Urbanchek, dois grandes profissionais”, finalizou o medalhista olímpico.

Thiago Pereira é patrocinado pelos Correios, Speedo e Light. O nadador defende o Minas Tênis Clube, tem 29 anos e é natural de Volta Redonda (RJ). É dono de 18 medalhas pan-americanas, sendo 12 de ouro. Em Londres/2012, o atleta conquistou a medalha de prata na prova dos 400 m medley.

O medalhista olímpico também é vice-presidente da Comissão de Atletas da FINA – Federação Internacional de Natação – e integrante da Comissão de Atletas do COB – Comitê Olímpico Brasileiro.

Sobre o Minas Tênis Clube

Fundado em 15 de novembro de 1935, prestes a completar 80 anos, o Minas Tênis Clube, com quase 75 mil associados, é um dos maiores do Brasil. O clube conta com equipes de categorias de base e de ponta em nove modalidades (basquete, futsal, ginástica artística, ginástica de trampolim, judô, natação, tênis, vôlei feminino e vôlei masculino), todas com a certificação ISO 9001. São mais de mil atletas, entre profissionais e em formação.

São milhares de títulos conquistados. Na natação, por exemplo, a equipe Fiat/Minas é, atualmente, tetracampeã do Troféu José Finkel. Além disso, já conquistou títulos do tradicional Troféu Maria Lenk em nove oportunidades (1987, 1989, 1991, 1993, 1994, 1996, 1997, 2011 e 2013).

Mais informações sobre Thiago Pereira no site: www.thiagopereira.com.br
Siga Thiago Pereira no Twitter: @ThiagoPereira
A página oficial do atleta no Facebook é ThiagoPereiraOficial
E veja as fotos do nadador no Instagram: @pereirathiago86 e @VaiThiago

 

Atacante da seleção participa de treinamento na Croácia

Muitos dizem que o Brasil é o país do futebol. A mesma comparação é válida para Croácia quando o assunto é polo aquático. Por isso, a seleção brasileira da modalidade está na ex-Iugoslávia para um período de treinamento. Comandados pelo croata Ratko Rudic, um dos maiores nomes do polo aquático, os atletas vão dar sequência a um trabalho estruturado, que visa a Olimpíada de 2016. O atacante Gustavo Grummy, mais uma vez convocado para o grupo, aprovou a escolha do comandante.

“O Ratko conseguiu fazer com que a evolução na parte de jogo também acontecesse e agora temos que acertar os detalhes finais para a Liga Mundial, por isso essa viagem de treinamento será fundamental! Na Croácia ganharemos ritmo de jogo e trabalharemos ainda mais a força especifica, o que é importante para chegarmos bem nos Estados Unidos aonde jogaremos a fase preliminar da Liga Mundial!”.

Antes de seguir para a Croácia, Gustavo Grummy e os jogadores da seleção brasileira participaram de vários treinos no no Brasil, principalmente na parte física. “As atividades foram muito produtivas, evoluímos muito fisicamente e o grupo esta bem forte!”.

A seleção brasileira, além da Liga Mundial, terá o Mundial de Kazan e o Pan-Americano de Toronto como objetivos principais no ano que antecede a Olimpíada. O grupo pode passar vários meses na Europa disputando a Liga Adriática de Polo Aquático, a chamada Champions League da modalidade. Serão mais de 20 partidas contra equipes da ex-Iugoslávia. “Todo o planejamento da seleção brasileira nos motiva a buscar resultados positivos e melhorar ainda mais como equipe. O entrosamento surge assim”, falou o atleta do Sesi-SP, que é o atual bicampeão paulista e campeão brasileiro de Polo Aquático.

Gustavo Guimarães é atleta do Sesi-SP e atacante da seleção brasileira de polo aquático. O jovem de 21 anos já tem mais de 1.500 gols marcados em 13 anos de carreira, sendo artilheiro de diversos campeonatos e eleito MVP (melhor jogador do torneio) no Pan-Americano Junior de 2012 e no Sul-Americano Junior de 2013.

Entre as principais conquistas do jogador estão a medalha de bronze nos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara-2011, o Prêmio Brasil Olímpico do COB de 2012 e o vice-campeonato do Torneio Intercontinental de Shangai, evento preliminar a Liga Mundial de Polo Aquático da FINA, e o Sul-Americano em 2014.

Mais informações no site www.grummywp.com.br

A cidade de Itajaí segue rígido caderno de encargos semelhante ao da Copa do Mundo de Futebol para organizar a parada brasileira da Volta ao Mundo. A partir da primeira semana de abril de 2015, a capital mundial da vela será em Santa Catarina
O ano de 2015 não será morno para os mega-eventos esportivos no Brasil. No meio entre Copa do Mundo e Olimpíada, o País será a capital da vela mundial sediando a Volvo Ocean Race. A competição pelos mares do planeta, com 9 meses de duração, para em Itajaí, em Santa Catarina, exatamente em um ano, ou seja, na primeira semana de abril de 2015. A Vila da Regata deverá receber mais de 200 mil pessoas, impulsionando a economia local e do estado. A contagem regressiva já começou e, para sediar a Volta ao Mundo, a organização local cumpre um rígido caderno de encargos, nada muito diferente do que a FIFA e o COI (Comitê Olímpico Internacional) exigem. A lista de tarefas, por exemplo, conta com alguns detalhes como facilidade de acesso e segurança do público, adequação das marinas, sustentabilidade e acomodações. Representantes da Volvo Ocean Race também fazem visitas regulares às instalações.

“A Volvo Ocean Race tem um caderno de encargos exigente como qualquer mega-evento. Itajaí, por exemplo, nos procurou para fazer a regata buscando ficar famosa sediando a prova em 2011-12. O sucesso foi enorme e confesso que decidimos repetir a parada por vários motivos, mas o primeiro foi pelo entusiasmo do público local”, disse Knut Frostad, CEO da Volvo Ocean Race.

Todos os organizadores da Volvo Ocean Race, os chefes de equipe e os integrantes das cidades-sede participaram durante a semana de uma série de workshops e treinamentos em Alicante, na Espanha. O representante da parada de Itajaí, Alexandre Santos, disse que o legado da regata terá continuidade por muito tempo em Santa Catarina. “Vamos dar continuidade ao trabalho feito na primeira Volvo Ocean Race em Itajaí. A Vila já está praticamente pronta em comparação com a última edição. Evoluímos bastante e lançamos o edital da marina, que já está em obras e deverá estar pronta no final de ano, gerando emprego e renda”.

Na edição de 2011/12, a Volvo Ocean Race desembarcou pela primeira vez em Itajaí (SC), após seguidas paradas no Rio de Janeiro (RJ). E o público impressionou a organização e os patrocinadores. Mais de 282 mil pessoas passaram pela Vila da Regata durante o evento. O retorno de mídia, por exemplo, foi de mais de 4 mil reportagens veiculando o nome de Itajaí, quase 130 horas de conteúdo televisivo e 445 imagens da cidade exibidas em jornais e revistas no Brasil e no exterior.

A regata Volvo Ocean Race começa em 4 de outubro de 2014 com a chamada In-port race, em Alicante, na Espanha. Os barcos partem no dia 11 de outubro para Cidade do Cabo, na África do Sul. A primeira parte do percurso terá 38.739 milhas náuticas ou 71.745 quilômetros. A aventura depois passará por Abu Dhabi (Emirados Árabes Unidos) , Sanya (China), Auckland (Nova Zelândia), Itajaí (Brasil), Newport (EUA), Lisboa (Portugal), Lorient (França), Haia (Holanda) e Gotemburgo (Suécia), onde a competição será encerrada com a prova final no dia 27 de junho de 2015.

Cinco equipes confirmaram sua participação na edição de 2014-15 até agora: Team SCA (Suécia) , Abu Dhabi Ocean Racing (Emirados Árabes Unidos ) , Dongfeng Race Team (China), Brunel Team (Holanda) e Team Alvimedica (EUA/Turquia).

Foto: Ian Roman /Volvo Ocean Race

O velejador Charles Caudrelier tem o Brasil como amuleto de sorte. Nos últimos dois anos, o francês, que acaba de assumir o comando do barco chinês Dongfeng na Volvo Ocean Race, conquistou resultados expressivos na vela oceânica internacional, como os títulos da Volta ao Mundo de 2011-12 com o Groupama e da Transat Jacques Vabre 2013 com o Edmond de Rothschild. As duas competições passaram por Itajaí (SC).
“Tenho um carinho especial pelo Brasil e por Itajaí. Acredito que a passagem pelo país pode ter sido a chave para ser contratado como comandante do Dongfeng Race Team”, disse Charles Caudrelier, que voltará ao Brasil em 2015 na Volvo Ocean Race liderando o moderno veleiro de 65 pés.  A regata começa em 4 de outubro de 2014, com a In-Port Race de Alicante, na Espanha e terá, ao todo, 38.739 milhas náuticas de distância.
A primeira passagem vitoriosa pelo Brasil foi em 2012 a bordo do Groupama. Depois de ter problemas no caminho de Auckland, na Nova Zelândia, a Itajaí, o barco francês se recuperou e foi campeão da regata, inclusive vencendo a In-port Race brasileira. A vantagem do Telefónica, da Espanha, era enorme e os franceses liderados por Franck Cammas se recuperaram.
“Tenho as melhores lembranças de 2012 em Itajaí. Os fãs locais nos motivaram, pois a gente teve o mastro quebrado no caminho e tivemos de improvisar. Mesmo assim chegamos em terceiro lugar. Essa passagem navegando em Itajaí foi especial pra mim. Sempre digo que a Volvo Ocean Race é uma verdadeira aventura e certamente foi nessa perna que o Groupama virou o jogo”, disse  Charles Caudrelier.
No ano passado, o francês ao lado do compatriota Sébastien Josse deram show a bordo de um trimarã de 70 pés na Transat Jacques Vabre. Completaram o percurso de quase 10 mil quilômetros entre Le Havre, na França, e Itajaí, em Santa Catarina, em 11 dias. “Depois da Transat Jacques Vabre 2013, os chineses perguntaram para o meu parceiro Sébastien Josse se eu poderia assumir o Dongfeng. Ele disse que eles poderiam confiar no meu trabalho. E agora aqui estou eu!”.
Até agora, cinco times confirmaram participação no evento: Team SCA (Suécia), Abu Dhabi (Emirados Árabes Unidos), Dongfeng Race Team (China), Team Brunel (Holanda) e Team Alvimedica (Turquia/EUA).

Thiago Pereira abriu a prova do revezamento 4×200 m livre e ajudou o Brasil a ficar com a medalha de ouro dos Jogos Pan-Americanos do Rio de Janeiro, no Parque Aquático Maria Lenk. Rodrigo Castro, Lucas Salatta e Nicolas Santos completaram o time que fez 7min12s27 também garantiu aos brasileiros o novo recorde pan-americano do revezamento 4x200m livre.

 

 

Recentemente, o Team Brunel anunciou Andrew Cape como navegador da equipe para a Volvo Ocean Race 2014-15. O time da Holanda será comandado por Bouwe Bekking. Juntos, o australiano e o holandês passaram por situações difíceis na regata, principalmente na edição 2005-06, quando o barco Movistar afundou no Atlântico. A amizade dos dois ficou ainda mais forte depois do episódio, mas nenhum deles tira a cena da cabeça. O veleiro, na época um Volvo Open 70, teve um problema na quilha pivotante na perna dos Estados Unidos e coube a dupla escolher pelo abandono. “Isso fica na minha mente. Penso muito sobre isso ainda” , lembrou Andrew Cape.

Oito anos depois, Bouwe Bekking , hoje com 50 anos , não hesitou em renovar sua parceria com Andrew Cape para o Team Brunel. ”Bouwe Bekking é um cara muito tranquilo . Ele é ótimo no barco – um grande capitão e um grande líder. Ele tem um bom conhecimento do que se passa em navegação também”.  A Volvo Ocean Race de 2005-06 foi vencida pelo ABN AMRO 1 e o Brasil 1 ficou em terceiro lugar.

Foto: Volvo Ocean Race

O time do Abu Dhabi Ocean Race confirmou um pacote de reforços para a disputa da Volvo Ocean Race. O comandante Ian Walker contratou quatro experientes velejadores para correr a Volta ao Mundo com base em regatas passadas. Os escolhidos foram: Justin Slattery (Irlanda), Phil Harmer (Austrália), Simon Fisher (Reino Unido) e Andrew McLean (Nova Zelândia).

“Os velejadores trazem para a equipe habilidade e experiência de sobra e eu não poderia estar mais feliz por tê-los a bordo”, disse Ian Walker. “Já velejamos juntos e gostamos do que fazemos. Isso pode ser um fator importante no ambiente no veleiro, já que o barco vira uma panela de pressão numa regata de nove meses ao redor do mundo”.

Os novos velejadores do Abu Dhabi se juntam ao árabe Adil Khalid, ao australiano Luke Parkinson (tripulante sub-23) e o britânico Tom Bushell ( repórter a bordo). O último tripulante do barco será anunciado nos próximos dias pelo Abu Dhabi. Os integrantes da equipe visitaram a cidade árabe e o próximo evento será fazer testes no barco Volvo Ocean 65. Em março, o Abu Dhabi seguirá para sua base de treinos, em Portugal.

O comandante Ian Walker foi auxiliado por Neal McDonald, manager do Abu Dhabi, para definir os novos nomes para seu time. “Estou certo de que fizemos a escolha certa. É uma equipe sólida e sem egos. O grupo é formado por velejadores de nível internacional e todos têm em comum o desejo pela vitória e foco”.

O proeiro irlandês Justin Slattery volta ao Abu Dhabi depois da edição passada. Será a terceira Volvo Ocean Race do atleta. Outro que retornou ao time árabe foi o britânico Simon Fisher, que fez de tudo um pouco no barco na temporada passada. O australiano Phill Harmer estava no francês Groupama, vencedor em 2011-12. O neozelandês Andrew McLean ficou em segundo com o CAMPER.