Saiba como trabalham os médicos do esporte

A medicina esportiva no Brasil é uma das mais avançadas do mundo, contando com profissionais especializados com experiência em grandes clubes e confederações. A clínica PULSE, por exemplo, conta com médicos com atuação em times com S.E. Palmeiras, S.C. Corinthians, E.C Pinheiros, além de confederações como as de Basquete, Ginástica Artística e o próprio Comitê Olímpico Brasileiro. Mas engana-se quem pensa que o médico do esporte é apenas para os super medalhistas ou atletas amadores. A procura pelo profissional de saúde está cada vez maior.

Explicando melhor, o médico do esporte tem em sua formação três anos de residência médica, após os 6 anos de graduação e medicina e tem como objetivo, além do cuidado do atleta, promover a saúde por meio do exercício físico e tratar doenças com o exercício.

”Antes de tudo, quando eu falo ‘atleta’, eu me refiro não somente às pessoas que vivem do esporte (atletas profissionais ou amadores ou das categorias de base), mas àquelas que, apesar de terem outra profissão, treinam e se dedicam como um atleta (não é difícil imaginar a dedicação de um pessoa para correr uma maratona, uma prova de triathlon ou ironman ou jogar um campeonato de futebol e ainda se dedicar às suas atividades diárias; isso também é ser um atleta)”, disse a médica do esporte Ana Carolina Côrte, que atende na clínica PULSE de São Paulo e agora em Brasília.

Veja o que o médico do esporte faz:

1) O médico do esporte procura garantir a segurança do atleta em realizar seu treinamento – toda investigação cardiovascular é realizada.

2) entender a rotina diária e de treinamento para conhecer a demanda energética e entender se toda alimentação/suplementação está correta para demanda do atleta, além de conhecimento da qualidade do sono.

3) conhecer a biomecânica do esporte e direcionar o exame físico ortopédico para identificar e minimizar riscos de lesões; associado ao uso da termografia no esporte, para o diagnóstico e análise de pontos de desequilíbrio e sobrecarga na consulta com uma simples imagem e anamnese.

4) Tratamento de lesões e dores (ex: dor lombar, canelite, dor em ombros, joelhos, quadril, pubalgia, etc) e queixas clínicas relacionadas ao esporte (ex: asma induzida pelo exercício, overtraining, dor de cabeça induzida pelo exercício).

5) ensinar/discutir sobre métodos de recuperação para que o atleta esteja mais bem preparado para a próxima sessão de treino.

6) exames laboratoriais são fundamentais pois trazem parâmetros importantes na avaliação da fadiga/cansaço e do acompanhamento da carga de treino e periodização.

7) controle da imunidade do paciente, pois, após uma sessão intensa de treino, existe uma janela imunológica em que o atleta apresenta maior chance de adquirir infecções.

8) avaliação da composição corporal é fundamental para o desempenho do atleta, assim como o controle e melhora (ganho de massa magra e redução de gordura).

9) em caso de crianças, acompanhar o crescimento e desenvolvimento é fundamental, pois a demanda energética solicitada pelo treino é, em geral, muito grande e o crescimento precisa ser acompanhado e garantido.

10) orientação quando a substâncias que são doping.

11) às vezes não conseguimos entender porque não evoluímos no treino e todos os aspectos acima devem ser investigados e um plano de ação deve ser definido.às vezes não conseguimos entender porque não evoluímos no treino e todos os aspectos acima devem ser investigados e um plano de ação deve ser definido.

Compartilhe

Mais posts

Nos envie uma mensagem