Que a alta performance não nos cale!

0
270

Semana passada foi marcada por declarações marcantes de atletas e ex-atletas, inclusive da melhor ginasta da atualidade, Simone Biles. A norte-americana revelou ser uma das vítimas de abuso sexual por parte de Larry Nassar, ex-médico da seleção de ginástica dos Estados Unidos. E por esse e tantos outros assuntos recorrentes ao tema, decidi escrever sobre.

Se formos buscar registros sobre nossa história enquanto mulheres no esporte, encontraremos dezenas de relatos de como lutamos para praticar esporte e como tivemos que desmistificar a sexualização do corpo das atletas de alto nível (que o mesmo não existe somente para reprodução). Nós levamos muitas décadas para provar que o corpo da mulher também é apto para o alto desempenho esportivo! Em meio a todo esse contexto sócio cultural, ainda somos presas fáceis na “armadilha” do nosso próprio corpo.

Na atualidade, nossas lutas diárias continuam não somente pela alta performance, mas também pelo respeito aos nossos corpos, por se fazer ser ouvida, por não duvidarem da nossa palavra… Existe um grande movimento no mundo em prol do empoderamento feminino, isso consiste em dar voz às mulheres. Foi o que aconteceu com mais de 100 ginastas, incluindo a Simone Biles.

Em sua carta aberta no Twitter, ela escreve: “Muitas vezes eu me questionei. Eu estava sendo muito ingênua? Foi minha culpa? Agora eu sei responder a estas perguntas. Não, não foi minha culpa. Não, eu não devo carregar uma culpa que pertence a Larry Nassar, à USAG e a outros”

Não Simone, não é sua culpa! Nem minha e nem de tantas outras…

Enquanto mulher e atleta, esse caso me entristeceu muito. Porém, sei que isso é apenas a ponta do iceberg. Minha torcida é para que o esporte seja sempre um cenário de alegrias, vitórias e, principalmente, um lugar limpo desse tipo de comportamento repugnante.

Que a voz dessas mulheres seja nosso combustível para dizer NÃO a todo e qualquer desrespeito! E para encerrar, quero dizer a vocês, minhas leitoras, que para ser RAIA 4 precisamos nos unir em prol de um bem comum, seja ele para o esporte ou para um mundo melhor para as mulheres!