Nicholas Santos estreia quinta-feira no Mundial de Piscina Curta de Windsor

0
678

No auge aos 36 anos, Nicholas Santos encara o seu sétimo Mundial de Piscina Curta, em Windsor, Canadá, em busca de superação. O atleta da Unisanta quer quebrar o recorde sul-americano dos 50m borboleta, 22s08, tempo que valeu a ele a prata na última edição da competição, e ficar mais próximo do melhor tempo no mundo, 21s80, do alemão Steffen Deibler. Se vier com o bicampeonato mundial na prova, sua favorita, ainda melhor. O primeiro ouro foi conquistado em 2012, em Istambul.

“Quero nadar pra 21 segundos. Venho treinando muito bem e tenho grandes chances. É difícil falar em recorde mundial, mas acho que 21s80 é um tempo palpável, também”, diz Nicholas Santos. O atleta volta a enfrentar seu principal adversário, o sul-africano Chad Le Clos, que ficou com o ouro nos 50m borboleta em 2014, em Doha. “O Le Clos é o grande adversário, e ainda tem outros nadadores rápidos para essa prova, como o Andrii Govorov.”

A estreia de Nicholas Santos em Windsor será nesta quinta-feira (9). O nadador entra na piscina para buscar o bicampeonato mundial com o revezamento 4x50m medley misto, ao lado de Etienne Medeiros (costas), Felipe França (peito) e Larissa Oliveira (crawl). O mesmo time conquistou o ouro em Doha. Ainda na quinta-feira, Nicholas disputará as eliminatórias dos 50m livre. No dia seguinte, inicia a briga por mais um ouro nos 50m borboleta. “No decorrer da competição, vou selecionar a prova em que tenho melhor chance de medalhar pra ir até a final”, explica o nadador.

O Mundial de Piscina Curta de Windsor não deve ser a última competição de Nicholas Santos. O nadador pretende seguir defendendo a Unisanta em 2017. “Fui medalhista no Mundial de Kazan, em 2015. No Troféu José Finkel deste ano, embora não tenha conseguido uma vaga para os Jogos do Rio 2016, me arrisquei numa prova completamente, os 100m borboleta. Fiz o índice, com 42s30, e infelizmente fiquei com a terceira vaga. Mas ganhei as três provas que nadei e ajudei meu clube. Pelos meus resultados, eu ainda me mantenho como um dos mais rápidos do mundo, então meu objetivo é continuar nadando”, destaca o atleta.

Os outros brasileiros no Mundial de Curta de Windsor

Nicholas Santos aposta num bom desempenho da seleção brasileira na competição no Canadá, apontando Etienne Medeiros, Felipe França, Felipe Simas e Thiago Simon como os principais candidatos ao pódio pelo Brasil. “O Simon nadou muito bem os 200m livre em piscina curta na última competição seletiva para o Mundial. Se ele nadar próximo do que já nadou ou até melhor, com certeza garantirá uma medalha”, acredita.

Por outro lado, Nicholas lamenta a ausência de outros nomes fortes da natação brasileira em Windsor, como Guilherme Guido e Cesar Cielo. “O 4x50m medley masculino também seria um revezamento muito forte, com o Guilherme Guido de costas, o Felipe França de peito, eu de borboleta e o Cesar Cielo de crawl. É um revezamento que também ganhou o ouro em Doha. Mas dessa vez não temos nenhum nadador de costas e nem de crawl, por isso não disputaremos medalha. Também ficaremos fora do 4x100m medley”. O Mundial de Piscina Curta segue até o dia 11, com um total de 708 nadadores de 172 países.

Histórico em Mundiais de Curta
O brasileiro vai para seu sétimo Mundial de Piscina Curta (25m). Sua estreia foi em 2002, em Fukuoka, no Japão, ficando com o 13º lugar (24s15) nos 50m borboleta. No Mundial de Indianápolis, nos EUA, o brasileiro subiu ao pódio duas vezes, com a medalha de bronze nos 50 m livre (21s71) e com a prata no revezamento 4×100 m livre masculino. Em Shangai, 2006, Nicholas foi o quinto nos 4×100 livre e sétimo nos 50 livre (21s90).

No Mundial de Dubai 2010, foi medalhista de bronze no 4×100 livre e quarto lugar nos 50m borboleta (22s45). Em Istambul 2012, Nicholas se tornou campeão mundial dos 50 metros borboleta. O ouro veio com o tempo de 22s22.

No último Mundial de Curta realizado em Doha, em 2014, estabeleceu sua melhor marca pessoal nos 50m borboleta, além de ter batido o novo recorde brasileiro e sul-americano da prova. Ao nadar a prova em 22s08, ele ficou com a medalha de prata. O nadador também venceu dois revezamentos com a equipe brasileira, o 4x50m medley misto e a versão masculina.

Nicholas Santos defende as cores da Unisanta. O atleta olímpico é patrocinado por Speedo e Exército Brasileiro. Entre os títulos do nadador de Ribeirão Preto (SP) destaque para o ouro no Mundial de Istambul 2012 e prata no Mundial de Kazan 2015 nos 50 m borboleta, ouro nos revezamentos 4×50 m medley masculino e misto no Mundial de Doha 2014, ouro no revezamento 4×100 m livre de Guadalajara 2011 e Rio 2007 e o ouro da Universíade de Bangkok 2007 nos 50 m livre.