Mas afinal, o que aconteceu com Neymar? Por Gilberto Cunha, médico do esporte da PULSE

0
255

Nos últimos dias a imprensa brasileira e do resto do mundo divulgou informações sucessivas e por vezes conflitantes sobre a lesão sofrida por Neymar, craque do Paris Saint Germain e da seleção brasileira. Mas por que houve esse desencontro de informações e o que realmente aconteceu com ele?

Na partida do último domingo, dia 25/02, contra o Olympique de Marselha, o jogador sofreu um entorse de tornozelo e deixou o campo chorando. De acordo com o que foi noticiado, exames preliminares descartaram lesões graves, mas após a realização de exames mais sofisticados foi constatado que Neymar sofreu uma fissura (fratura) do quinto metatarso (os metatarsos
são os ossos longo do meio do pé).

A energia do trauma foi transmitida por um tendão ao osso, gerando a fratura. Num primeiro momento foi divulgado que o atleta seria submetido a tratamento conservador e ficaria afastado dos gramados por aproximadamente quatro semanas. Entretanto, ontem a assessoria de imprensa do clube divulgou que Neymar passará por uma cirurgia e o tempo de afastamento será de pelo menos oito semanas.

O que gerou essa mudança de conduta? Em algumas partes do quinto metatarso o suprimento sanguíneo é deficitário quando comparado a outros ossos do corpo e consequentemente o tempo de consolidação de uma fratura pode ser maior que o esperado. E pior ainda, existe a possibilidade de fragilidade local e refratura ao se retomar as atividades esportivas.

A cirurgia, apesar de necessitar maior tempo de afastamento, diminui consideravelmente a chance da não consolidação ou de se fraturar novamente o local. A opção de se realizar essa cirurgia no nosso craque nos faz pensar que a lesão ocorreu em uma parte do osso de maior risco e num ano de Copa do Mundo parece uma escolha mais segura e acertada por parte dos médicos do clube e da seleção brasileira.

Gilberto Cunha é especialista em Medicina Esportiva. É médico da equipe de Futebol Profissional da Sociedade Esportiva Palmeiras, da Seleção Brasileira de Basquete Masculino e da CBF/Seleção Brasileira de Futebol sub-20. Também é sócio-proprietário da clínica Pulse – Medicina Esportiva Integrada.