Extreme E: Corrida será nos locais mais remotos do mundo

0

• O Extreme E, marcada para janeiro de 2021, será um novo conceito evento esportivo e entretenimento! 

• Corrida será disputada em todos os ambientes mais remotos do mundo para demonstrar o desempenho dos SUVs elétricos em condições climáticas extremas, além de destacar o impacto que a mudança climática já está tendo nesses ecossistemas.

• O evento é liderado pelo brasileiro Gil de Ferran e pelo pioneiro da mobilidade elétrica Alejandro Agag, com a Continental anunciada como parceira e fundadora, além da também brasileira CBMM como fornecedora de nióbio.

• O explorador David de Rothschild e o cineasta vencedor do Oscar, Fisher Stevens, terão papéis principais no projeto, que será transmitido como a primeira série de TV de “doc-sport”.

• Anunciado a bordo do antigo Royal Mail Ship – St. Helena – o navio histórico sofrerá em breve uma renovação e transformação multimilionária para se tornar a base operacional móvel da Extreme E.

Quinta-feira, 31 de janeiro de 2019Londres: Um novo evento de automobilismo off-road foi lançado nesta quinta-feira (31), em Londres, na Inglaterra. Trata-se do Extreme E, que terá o brasileiro Gil de Ferran como representante máximo da categoria ao lado do empresário Alejandro Agag, CEO da Fórmula E. 

A corrida com utilitários esportivos elétricos (SUVs) será disputada nos pontos mais inóspitos do planeta, como a floresta amazônica, e terá o navio Royal Mail Ship – Santa Helena como base de apoio para carros e equipes. 

O Extreme E tem início previsto para janeiro de 2021 e passará por outros locais sob ameaça das mudanças climáticas como o Ártico, o Himalaia, o deserto do Saara e as ilhas do Índico. 

O conceito inovador de esporte e entretenimento mostrará os SUVs competindo em ambientes extremos, destacando não apenas a proeza de veículos, pilotos de ponta e as tecnologias avançadas.

”O Extreme E oferece um conceito único de esporte, aventura e entretenimento que nunca foi visto ou feito antes! Os fãs podem esperar uma maneira completamente nova de consumir o esporte, com cada episódio contando não apenas a história esportiva de uma corrida, mas uma história que mira consciência ambiental e proteção a esses locais remotos”, disse o brasileiro Gil de Ferran, presidente da nova categoria.

A competição de automobilismo elétrico terá um papel fundamental na conscientização global dos problemas específicos que cada ambiente enfrenta, como o derretimento das calotas polares, o desmatamento, o recuo das geleiras, a poluição do plástico nos oceanos e o aumento do nível do mar.

”Sempre fui apaixonado pelo progresso da tecnologia de veículos elétricos e pelo impacto que as soluções de mobilidade limpa podem ter na mudança climática global. Eu acredito fortemente que a Extreme E pode ajudar a tornar o mundo mais sustentável, mais rápido, e nós temos uma equipe dos sonhos para tornar essa ambição uma realidade”, disse Alejandro Agag, CEO e fundador da Formula E, primeira competição de carros elétricos, que está em sua quinta temporada. 

Buscando estabelecer novos padrões na comunicação esportiva, o Extreme E terá a primeira série de TV “doc-sport” produzida pelo cineasta vencedor do Oscar e novo diretor artístico do Extreme E, Fisher Stevens.

Lançada a bordo do antigo Royal Mail Ship – Santa Helena – ao lado da Tower Bridge em Londres, a Extreme E compromete-se a ser neutra em carbono, juntamente com iniciativas em andamento em cada destino para ajudar a restaurar e reconstruir ecossistemas já afetados pelas mudanças climáticas.

O aclamado explorador britânico e ambientalista David de Rothschild será o chefe explorador do Extreme E e liderará a missão de levar as corridas elétricas para alguns dos locais mais remotos do mundo.

No mesmo espírito de grandes expedições do passado, todos os equipamentos serão despachados por mar, a bordo do navio de quase 7.000 toneladas, que anteriormente fornecia suprimentos para a ilha de Santa Helena, no Atlântico Sul. 

O RMS St. Helena atuará como uma “base flutuante” para a Extreme E, será modernizado e melhorado usando tecnologias de emissões verdes, como parte de um projeto de renovação multimilionário.

Em associação com a ABB Fórmula E, organizadora do mundial dos carros elétricos, o Extreme E usará um tradicional formato com dois grupos de seis equipes – sendo que os quatro primeiros avançam para o estágio eliminatório e cada piloto vai frente a frente para conseguir um lugar na final. 
Os off-road stage terão cerca de 6 a 10km de extensão, com uma série de portões virtuais para serem navegados pelos pilotos – em uma mistura de calor e umidade extremas, altitude elevada e temperaturas abaixo de zero.

“Estou muito feliz por fazer parte deste novo e excitante projeto. Aproveitando a empolgação e a atenção em torno do Extreme E, estou ansioso para ativar uma plataforma de storytelling global
para a natureza, que se baseia em ciência, inovação, exploração e otimismo.

A corrida pela criação de um manual operacional de soluções e ações ambientais positivas em prol da natureza está apenas começando”, contou David de Rothschild. Adotando uma abordagem inovadora para a transmissão de esportes, as corridas da Extreme E serão exibidas em todo o mundo em um estilo de série-documentário, permitindo que os fãs acompanhem cada episódio com uma sensação cinematográfica.

Um foco especial será colocado sobre as aventuras e desafios de cada corrida, além de contar a história de como as mudanças climáticas estão colocando em risco o ecossistema de cada localidade.

“A corrida elétrica se tornou uma paixão para mim, tendo trabalhado ao lado de Leonardo DiCaprio para criar um novo documentário a ser lançado no final deste ano sobre a temporada da Fórmula E, que conta não só a história dos pilotos de corrida – mas também a história de como o automobilismo elétrico pode ter um papel fundamental em nos ajudar a combater a mudança climática”, explicou Fisher Stevens, cineasta vencedor do Oscar

A Extreme E é uma empresa totalmente financiada, e já garantiu o apoio da Continental Tyres – como parceira fundadora e fornecedora oficial de pneus. A CBMM também está apoiando a série como fornecedora de nióbio – facilitando a integração de produtos de nióbio tecnologicamente avançados no chassi dos SUVs totalmente elétricos.

Nikolai Setzer, membro do Conselho Executivo da Continental AG, responsável pela divisão de Pneus e Compras Corporativas, afirmou:
“Estamos realmente entusiasmados com a parceria com à Extreme E. Esse novo formato de esportes de corrida oferece a oportunidade de demonstrar como nossos pneus de desempenho ultra-alto são bem-sucedidos em condições extremas. Os pilotos nesta série off-road aventureira irão experimentar como o desempenho encontra a segurança em qualquer terreno. Um fator importante desta série será o de aumentar a conscientização do público em relação aos desafios atuais e futuros, como as mudanças climáticas, a interação responsável com o meio ambiente e a proteção de importantes ecossistemas. A sustentabilidade é uma prioridade na agenda de nossa empresa, e isso se alinha perfeitamente aos objetivos da Extreme E também ”.

NOTAS AOS EDITORES

Sobre o Extreme E:

Extreme E é uma nova série de corridas radicais, que contará com SUVs elétricos competindo em ambientes extremos em todo o mundo. A viagem global de cinco corridas destaca o impacto da mudança climática em alguns dos ecossistemas mais frágeis do planeta e promove a adoção de veículos elétricos para ajudar a preservar o meio ambiente e protejer o planeta. 
O Extreme E será realizado em associação com Fórmula E – o organizador do Campeonato de ABB Fórmula E da FIA. A categoria está empenhada em sustentabilidade e minimizar o impacto ambiental – além de desempenhar seu papel na reconstrução e restauração de áreas já impactadas pelas mudanças climáticas.


Sobre a Continental:

A Continental desenvolve tecnologias e serviços pioneiros para mobilidade sustentável e conexão entre as pessoas e seus bens. Fundada em 1871, a empresa de tecnologia oferece segurança, eficiência e soluções inteligentes e acessíveis para veículos, máquinas, tráfego e transporte. Em 2018, a Continental gerou vendas preliminares de cerca de € 44,4 bilhões e atualmente emprega cerca de 244.000 pessoas em 61 países e mercados.

A divisão de pneus tem 24 locais de produção e desenvolvimento em todo o mundo. Como um dos principais fabricantes de pneus com cerca de 54.000 funcionários, a divisão registrou vendas de 11,3 bilhões de euros em 2017.
A Continental está entre os líderes de tecnologia na produção de pneus e oferece uma ampla faixa de produtos para automóveis de passageiros, veículos comerciais e veículos de duas rodas. Através do investimento contínuo em P & D, a Continental faz uma grande contribuição para a segurança, custo-benefício e mobilidade ecologicamente eficiente. O portfólio da divisão de pneus inclui serviços para o comércio de pneus e para aplicações de frota, bem como sistemas de gerenciamento digital para pneus de veículos comerciais.