Crisogono Martins, o fã mais experiente da Transat Jacques Vabre

0
153

Crisogono Martins é um verdadeiro fã dos barcos multicascos, como os Ultime e os Multi50 da Transat Jacques Vabre. Aos 92 anos, o bancário aposentado, que ainda veleja, fez questão de ver de perto as máquinas de regata que participam da Rota do Café.

”É um prazer ver a passagem regata aqui em Salvador com esses barcos tão lindos, tão modernos e tão eficientes. Me dão prazer e porque não dizer, uma pequena inveja”, disse Crisogono, pai de oito mulheres. São 18 netos e a quantidade de bisnetos ele já perdeu as contas de cabeça.

Até o dia 24 de novembro, o Terminal Turístico da Bahia receberá os barcos vindo de Le Havre na França. Até agora seis já chegaram a Salvador, destino final dos 8 mil quilômetros de prova. Ao todo, a regata conta com quatro categorias e 37 veleiros largaram da região da Normandia. Seis ficaram pelo caminho.

Mas é na Baía de Todos-os-Santos que esse sergipano mais baiano do que nunca guarda sua também máquina de regata, um catamarã (barco de dois cascos) de 40 pés batizado de Taiti, modelo construído no Maranhão por Manoel Português. 

”Velejo desde os anos 70 e digo que no Brasil não há lugar tão completo como a Baía de Todos-os-Santos para se velejar. Bons ventos, poucos obstáculos e muita amplitude para se navegar”.

Crisogono acompanha as notícias do mundo das regatas internacionais. ”Gosto de ver as provas e os barcos de perto. Vi a America’s Cup 2017, os multicascos eram parecidos como esses aqui, não?”.

Sim, a edição 2017 da regata mais antiga do mundo foi disputada nas Bermudas com barcos de 45 pés multicascos. O vencedor foi o Emirates Team New Zealand.

Acompanhado pela filha Cláudia, Crisogono disse que vai voltar para ver os barcos mais vezes e assim como em todos os dias de seus 92 anos aprender mais um pouco.

Veja a entrevista de Crisogono Martins ao canal oficial da Transat Jacques Vabre