Home Release

Alguns dos maiores nomes do skate vertical mundial farão uma apresentação de pra lá de especial, neste sábado (21), para inaugurar o Woodward Riviera Maya, localizado dentro do Hard Rock Cafe Resorts, em Puerto Aventura, no México. O brasileiro Sandro Dias foi um dos convidados para participar junto com o norte-americano Tony Hawk para andar de skate e fazer suas manobras nas várias pistas do local. O Camp Woodward é líder mundial em acampamentos de esportes de ação.

”O lugar é muito bacana e estou muito feliz pelo convite para andar em um um show ‘Tony Hawk and friends’. Vai ser muito legal fazer essa apresentação”, disse Sandro Dias. ”Estar com os amigos num ambiente tão bacana será muito especial”.

As apresentações ocorrem na rampa vertical ‘half pipe’ montada especialmente para a inauguração do Woodward Riviera Maya. Após o show, Tony Hawk, Sandro Dias e os skatistas convidados, incluindo a brasileira Letícia Bufoni – farão uma sessão de autógrafos com o público local.

Sobre Sandro

Sandro Dias tem 42 anos e é skatista profissional desde 1995. Referência do skate nacional e internacional, o atleta foi o primeiro no mundo a completar a manobra conhecida como “900º” em uma competição.

Entre suas principais conquistas estão seis títulos mundiais pela World Cup Skateboarding (2003, 2004, 2005, 2006, 2007 e 2011); o tricampeonato europeu (2001, 2003 e 2005); seis campeonatos brasileiros de skate vertical; oito medalhas conquistadas durante a história dos X Games; e o recorde mundial de aéreo mais alto num halfpipe com a marca de 4,20 metros conquistado em 2008.

O skatista é patrocinado por Red Bull, Dual Footwear, 4ever Skateboards, Stance equipamentos de segurança, Sandro Dias Shop e Sandro Dias Camp. Os apoios são da King Sushi e Glass Restaurante.

Mais informações sobre o skatista nos sites www.sandrodias.com.br e www.sandrodiascamp.com.br

Contatos:
Flávio Perez e Andressa Rufino
flavio@onboardsports.net e andressa@onboardsports.com.br
Tel: +5511999498035
www.onboardsports.com.br

O atacante Gustavo Grummy Guimarães faz sua estreia, nesta sexta-feira (29), na Copa Itália de Polo Aquático. Jogando pelo La Carisa Rari Nantes Savona, o artilheiro faz sua primeira partida contra seu antigo clube italiano, o  Pallanuoto Trieste, na cidade de Florença. O jogador esteve na equipe de Trieste na temporada 2015/2016.
Nesta primeira fase serão dois grupos de cinco times que se classificaram para a série A1, mas que não ficaram entre os quatro primeiros na temporada passada. Dois times de cada grupo se classificam e jogam com os quatro melhores classificados do ano passado, que passaram para a segunda fase direto.
“O objetivo aqui é classificar o time entre os dois primeiros para passar para a segunda fase. Estou feliz de voltar a jogar na Itália e principalmente de fazer parte da Copa de Itália”, comentou o jovem jogador, que recentemente conquistou a Copa São Paulo de polo aquático pelo Esporte Clube Pinheiros, clube que defende no Brasil.
No sábado o time já tem outro jogo contra o Rari Nantes Florentia e no domingo serão dois jogos, o primeiro contra o Bogliasco Bene 1951, e o segundo contra o Torino 81.
Sobre Grummy 

Gustavo Guimarães tem 23 anos e já tem mais de 1.600 gols marcados em 15 anos de carreira, sendo artilheiro de diversos campeonatos e eleito MVP (melhor jogador do torneio) no Pan-Americano Junior de 2012 e no Sul-Americano Junior de 2013. Entre as principais conquistas do jogador estão as medalhas de bronze Pan de Guadalajara 2011 e prata no Pan de Toronto 2015, o Prêmio Brasil Olímpico do COB de 2012, o inédito bronze da Super Final da Liga Mundial e o título do Sul-Americano em 2014.

Em 2016, o jogador teve a honra de integrar a seleção olímpica de polo aquático do Brasil nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. Em sua estreia nos Jogos, o atacante marcou 7 gols em 8 partidas.
Mais informações no site www.grummywp.com.br

O atleta paralímpico Geraldo Rosenthal se garantiu na liderança do ranking mundial na prova P5 – Pistola de ar standard 10m. O gaúcho de 42 anos conquistou mais um ouro para o Brasil, no último sábado (23), durante a Copa do Mundo de Tiro Esportivo, disputada em Osikek, na Croácia. O paratleta marcou 351 pontos na disputa e ficou com o primeiro lugar. Em segundo ficou Jakub Kosek, da República Tcheca, com 344 pontos, seguido por Gyula Gurisatti, da Hungria, com 343. “A prova de pistola de ar 10m está ficando importante, com cada vez mais atletas e só vem crescendo. Eu acredito que entrará para os Jogos Olímpicos de 2024. Já estou praticamente há um ano ocupando o primeiro lugar no ranking mundial dessa modalidade”, contou o paratleta.

Além de faturar o lugar mais alto do pódio, Geraldo também bateu o recorde das Américas na prova, superando a marca do norte-americano Michael Tagliapetra. O atirador, natural de Campo Bom (RS), foi o primeiro e único paratleta a conquistar uma medalha de ouro para o Brasil nas modalidades de pistola em uma Copa do Mundo, em 2013, na Tailândia. O feito se repetiu no ano passado e, com a conquista do fim de semana, Geraldo já soma três ouros em competições mundiais.

Este ano, o paratleta já acumulou dois bronzes na Copa do Mundo de Dubai, em fevereiro, e mais dois bronzes na Alemanha, em abril. Na Croácia, a medalha de ouro somou-se ao sexto lugar na P3 – Pistola .22lr 25m; o 13º lugar na P4 – Pistola .22lr 50m; e o 19º lugar na P1 – Pistola de ar 10m, finalizando a competição.

A Copa do Mundo de Tiro Esportivo foi organizada pelo Comitê Paralímpico Internacional (IPC, na sigla em inglês). Esta foi a quinta etapa do evento, depois de passar por Al Ain, nos Emirados Árabes (de 19 a 28 de fevereiro), Szczecin, na Polônia (de 24 a 29 de abril) e Lonato, na Itália (12 a 17 de setembro). A última etapa ocorrerá em Bangkok, na Tailândia, de 8 a 11 de novembro.

Sobre Geraldo Rosenthal

Paratleta e atirador desde 2007, Geraldo Rosenthal foi o primeiro medalhista brasileiro em Copas do Mundo de Tiro Esportivo na modalidade a conquistar o ouro. Natural de Campo Bom (RS), é portador da síndrome de Poland e possui uma má formação na mão direita. Batedor de recordes, competiu na Paralimpíada Rio 2016 e ocupa o primeiro lugar no ranking mundial na prova de pistola de ar 10m.

Geraldo conta com os apoios de Bolsa Pódio do Governo Federal; Programa Top 2020 do Paraná; Rifle; SMS Air Guns; e CBC (Companhia Brasileira de Cartuchos).

Contatos:
Flávio Perez e Andressa Rufino
flavio@onboardsports.net
Tel: +5511999498035
www.onboardsports.com.br

 

A maratonista aquática Patrícia Farias faturou a medalha de prata na prova elite de 3km do III Circuito de Maratona Aquática Sem fronteiras, que ocorreu em Niterói (RJ), neste domingo (24). Mesmo não sendo sua especialidade, a nadadora especialista em longas distâncias aproveitou para testar sua velocidade e sua adaptação em águas mais frias. A principal meta dela é a tradicional 14 Bis, prova de 24 km, em novembro.

“A água estava em torno de 19°, e com essa temperatura é permitido o uso da roupa neoprene, porém optei por não colocá-la para seguir a preparação para a 14 Bis. Me senti muito bem nadando, aos poucos, estou retomando a minha melhor forma, com a base de treinamento do meu técnico Renato Ribeiro”, contou a nadadora.

Após a premiação, a atleta contou para os participantes sobre sua experiência na travessia de Capri-Nápolis (36km), uma das mais prestigiadas do circuito mundial. Patrícia segue agora na sua preparação para a tradicional Travessia do Canal de Ilhabela, marcada para dia 5 de novembro e depois, no dia 11, encara a 50ª edição da 14 Bis, uma das mais tradicionais provas de maratona aquática do Brasil, com 24km.
Sobre Patrícia

Patrícia Farias tem 35 anos e é a única mulher que realizou a Travessia Do Leme ao Pontal, a maior maratona aquática do Brasil (35k). Atleta federada em piscinas até os 16 anos, passou a se dedicar à natação em águas abertas em 2011, sob orientação do treinador Renato Ribeiro, um dos grandes especialistas na modalidade. A carioca tem no currículo um título brasileiro nos 10k (2013), foi vice-campeã da tradicional 14 Bis (2016), entre Bertioga e Santos, e medalha de bronze na ultramaratona aquática da Ilha do Mel (2016). Recentemente a atleta nadou a “Maratona do Golfo – Capri-Nápoles” de aproximadamente 36km, na Itália.

Curta a fan page: www.facebook.com/atletapatriciafarias
Siga também no Instagram: @atletapatriciafarias
O site é www.patriciafarias.com.br

Contatos:
Flávio Perez e Andressa Rufino
flavio@onboardsports.net
Tel: +5511999498035
www.onboardsports.com.br

Aprender uma modalidade esportiva certamente é um grande desafio para crianças e jovens. Imagine então lidar com 3 modalidades! Nadar, pedalar e correr… Essa é a rotina dos alunos da Escolinha de Triathlon Formando Campeões. E como se não fosse complexo o bastante, os alunos do projeto estão conhecendo nessa temporada uma “quarta” modalidade, que impactando diretamente seu desenvolvimento.

Com auxílio dos profissionais da Incorp, a fisioterapia se tornou uma aliada muito importante no dia a dia dessa garotada, que em três anos de projeto não apenas conheceu uma das modalidades ao ar livre que mais cresce no país, como alcançou resultados expressivos em competições regionais, nacionais e até mesmo internacionais, como o Mundial Escolar e o Mundial de Triathlon.

“Inúmeros trabalhos publicados de relevância científica de cunho biomecânico e fisiológico evidenciam que a importância da fisioterapia durante o processo de desenvolvimento da modalidade. Tem sido uma experiência ótima para os alunos conhecerem mais essa especialidade e a evolução deles é nítida, tanto nos treinos como nas competições. A Incorp e todos os seus profissionais têm nos ajudado não apenas em caso de lesão mas principalmente no preventivo, o que na fase de crescimento de crianças e jovens é de extrema importância”, explica Ricardo Junior Cardoso, coordenador do projeto.

O trabalho com os alunos é coordenado pela fisioterapeuta Karla Simas e apresenta três grandes pilares: Correção; Prevenção; e Tratamento. A correção biomecânica é importante para um desenvolvimento sólido na modalidade, garantindo que o atleta consiga impor cargas progressivas sem ter prejuízos físicos. Já a prevenção de lesões é fundamental para manter o atleta em alta performance por mais tempo de carreira. O tratamento vem de acordo com a necessidade, porém, em tempo real, não deixando a lesão se agravar.

“Utilizamos de treinamentos corretivos, proprioceptivos e treinamento funcional para as correções biomecânicas. Na prevenção, temos utilizado o jato terapêutico como regenerativo de treino, o que garante um equilíbrio muscular de praticamente 100%. Além disso, fazemos uso contínuo de fortalecimentos musculares específicos para aprimoramento da técnica e além de exercícios funcionais, pilates e core”, conta a profissional.

Karla Simas usa com a garotada a longa experiência adquiriada no triathlon com atletas de ponta. A fisioterapeuta acompanhou Juraci Moreira, um dos maiores nomes do esporte olímpico brasileiro, durante toda a sua carreira, desde 1998, antes mesmo de suas três participações em Olimpíadas. “Ela foi a responsável por eu ter me mantido tanto tempo competindo em alto nível”, aponta Juraci, medalha de bronze nos Jogos Pan-Americanos do Rio de Janeiro 2017 e idealizador da Escolinha de Triathlon Formando Campeões. “Como padrinho do projeto, me sinto feliz em ver minha fisioterapeuta trabalhando com os alunos da Escolinha, dando sequência a esse ótimo trabalho com uma nova geração de triatletas, para que eles também tenham uma vida longa no esporte.”

Desde maio de 2015, o Colégio da Polícia Militar do Paraná é a base do projeto que já se tornou referência nacional no que diz respeito à formação e desenvolvimento das categorias de base do triathlon. As crianças contam com todos os equipamentos necessários para desenvolver às três modalidades e as atividades respeitam a grade escolar e faixa etária de cada atleta mirim.

Escolinha de Triathlon Formando Campeões foi viabilizada pela Lei de Incentivo ao Esporte, com apoio da Federação Paranaense de Triathlon e do Colégio da Polícia Militar do Paraná. Os patrocinadores são Condor e Grupo Astra.

A Escolinha de Triathlon Formando Campeões levou apenas dois anos para consolidar-se como referência nacional na formação e desenvolvimento de novos talentos do triathlon. Neste domingo (16), o sucesso foi comprovado mais uma vez com os sete pódios da equipe no Insano Tri Series, disputado em Guaratuba, Paraná. Além das medalhas, os atletas surpreenderam pela rápida evolução e amadurecimento nas categorias de base.

A prova serviu como preparação dos triatletas para os principais compromissos da temporada. “A Gabrielle Estefany Lemes está concluindo seus treinamentos para os Jogos Sul-Americanos da Juventude, dia 1º de outubro. Também teremos a Alice Forti Tinelli, Maria Fernanda Forti Tinelli e Fernanda Nardino na fina da Copa do Brasil de Triathlon em Manaus, e o Renan Antônio Portela e o Cauã Diniz vão para o Campeonato Brasileiro Infantil, em novembro”, aponta Ricardo Júnior Cardoso, coordenador do projeto.

As meninas da equipe dominaram o pódio na categoria geral feminina, com ouro para Gabrielle Estefany Lemes, prata para Alice Forti Tinelli e bronze para Fernanda Nardino. Na categoria 16 a 18 anos, Maria Fernanda Forti Tinelli ficou com o título. Os garotos levaram mais duas medalhas na categoria 13 a 15 anos, com Cauã Diniz em primeiro e Nathan Macedo Hulse em segundo.

“O grande destaque masculino foi o Renan Antônio Portela. Com 13 anos de idade, já conquistou o quinto lugar geral na competição. O Renan vem surpreendendo a cada dia nos treinos e seus resultados estão cada vez melhores. Ele é o atual vice-campeão brasileiro infantil na sua categoria”, destaca Ricardo.

Desafio internacional na Holanda

O Mundial de Triathlon Sprint de Roterdã, na Holanda, reuniu os melhores triatletas do mundo em diversas categorias da modalidade, neste domingo (17). Na categoria 16 a 19 anos, Paola Giovanna Cordeiro foi a melhor brasileira, terminando na 35ª colocação com 1h24min53. “A Giovanna sentiu bastante o frio, mas conseguiu fazer uma prova bem estável. Foi uma grande experiência para ela”, analisou o coordenador da Escolinha de Triathlon Ricardo Júnior Cardoso. “Agora ela se dedicará às provas nacionais para lutar por vaga no Mundial do ano que vem e buscar um resultado melhor.”

Desde maio de 2015, o Colégio da Polícia Militar do Paraná é a base do projeto, que recebe atualmente 50 alunos da rede pública de ensino, visando inserí-los em um dos esportes ao ar livre que mais vem se popularizando nos últimos tempos. As crianças contam com todos os equipamentos necessários e são treinadas por especialistas na modalidade. As atividades respeitam a grade escolar e faixa etária de cada atleta mirim.

Escolinha de Triathlon Formando Campeões foi viabilizada pela Lei de Incentivo ao Esporte, com apoio da Federação Paranaense de Triathlon e do Colégio da Polícia Militar do Paraná. Os patrocinadores são Condor e Grupo Astra.

A amazona Bianca Rodrigues, medalhista olímpica da juventude, será um dos destaques da sexta etapa da Copa Santo Amaro, neste final de semana (15 a 17), no Clube Hípico de Santo Amaro. A atleta levará dois cavalos, Brutus e Eliot, para enfrentar as provas de saltos na pista de grama, com obstáculos de de 1m e 1m20.

“O Eliot está voltando agora às pistas, retomando o ritmo de competição, porque vinha se recuperando de uma lesão. Por isso vamos saltar as provas de 1m”, explica Bianca. “Já o Brutus foi promovido a uma altura maior.”

Competindo há apenas dois meses com Brutus, Bianca comemorou a evolução do jovem cavalo no último fim de semana, durante o CSN 82º Aniversário do Clube Hípico de Santo Amaro. “Terminamos a competição com 5 pontos perdidos porque é um cavalo que ainda está aprendendo. Mas fiquei satisfeita em ver que ele evoluiu e amadureceu muito. A expectativa é que continue nesse ritmo, aumentando o número de pistas zeradas”, aponta a amazona.

Bianca Rodrigues tem 20 anos e é uma das revelações do hipismo brasileiro. A paixão por cavalos começou cedo, aos 7 anos de idade, quando foi a um hotel fazenda e montou pela primeira vez. Depois disso, seu pai, Marcello Rodrigues, a encorajou a praticar saltos. A jovem já participou dos principais torneios das categorias de base, sendo vice-campeã sul-americana (2013) e medalhista de prata na Copa das Nações (2014). Em 2014, a amazona conquistou a medalha de prata por equipes no hipismo nos Jogos Olímpicos da Juventude. Seu sonho é defender o Brasil novamente em outra competição olímpica.

A atleta Bianca Rodrigues é orientada por uma equipe multidisciplinar, liderada pelo técnico Tony Fortino, do Clube Hípico de Santo Amaro, localizado na zona sul de São Paulo (SP).

Mais informações sobre Bianca Rodrigues no site oficial da atleta: www.biancarodrigueshipismo.com.br

Profissionais ajudam crianças em tratamento de câncer infantil à ter melhor qualidade de vida.

Criado há 3 anos, o projeto “Famílias do Instituto em Ação”, do Instituto Ingo Hoffmann, tem como grande aliado o profissional educação física, profissão que comemora seu dia neste 1º de setembro. São 2 profissionais qualificados que desenvolvem exercícios lúdicos e recreativos para crianças em tratamento de câncer.

“Trabalhamos com jogos e brincadeiras adaptadas como jogos de raciocínio lógico, velocidade de pensamento, algumas atividades simples para trabalhar um pouco de lateralidade e coordenação motora, como jogos de tabuleiro, desenhos, entre outros. O principal objetivo é imergir as crianças e adolescentes em momentos de descontração, diversão e socialização. A recreação também auxilia no enfrentamento da doença. O ato de “brincar” remete a situações cotidianas em que as mesmas se encontravam antes do início do tratamento”, comenta a professora Jessica Deraco. 

Além de contribuir para a melhoria da qualidade de vida dos pacientes durante o tratamento, o projeto “Famílias do Instituto em Ação” age de forma integrada com a família das crianças e jovens, oferecendo atividades para seus acompanhantes aliviarem o stress em um momento tão delicado como a doença.

“Muitos passam a noite no hospital e os exercícios físicos auxiliam e previnem dores lombares, nos joelhos, entre outros sintomas. Assim, oferecemos aulas de musculação, ginástica localizada, abdômen, alongamento, aulas de dança, caminhada e corrida. É um momento em que os acompanhantes se distraírem e interagirem com os demais moradores do Instituto, e que também aproveitamos para destacar a importância deles estarem bem, fisicamente e mentalmente, para um melhor enfrentamento da doença”, explica Eloina Lemos, também professora do projeto.

O Instituto

O Instituto Ingo Hoffmann é uma entidade beneficente sem fins lucrativos, que leva o nome do piloto, um dos maiores do automobilismo nacional. Fundado em 2005, o instituto tem a missão de oferecer mais conforto e qualidade de vida às crianças em tratamento do câncer e suas respectivas famílias. Em parceria com o Centro Infantil Boldrini, hospital referência mundial no tratamento do câncer infantil, o Instituto Ingo Hoffman é responsável pelo projeto Casa da Criança e da Família, que abriga as crianças em tratamento intensivo e que não têm condições de serem mantidas por suas famílias fora de suas casas.

Localizado em Campinas, no interior de São Paulo, o Instituto proporciona todo o suporte necessário para as crianças, como acompanhamento individual, emocional, além de oferecer um espaço que, além da moradia, inclui ampla área para interação, realização de eventos e atividades esportivas.

Ingo Hoffman

Ingo Hoffmann é uma das referências do automobilismo brasileiro, com passagens pela Fórmula 1 e Stock Car. Começou a correr em 1972 e teve passagens por categorias europeias, F-3 e F-2, até chegar a Fórmula 1, em 1976, pela equipe Fittipaldi Copersucar. Em 1979, na primeira temporada da categoria, estreou na Stock Car, onde detém 12 títulos, 76 vitórias e 60 pole positions. No ano de 2004, sagrou-se vice-campeão do Rally dos Sertões, a maior e mais difícil prova Off-Road da América Latina. Em 2006, foi bicampeão brasileiro de Rally Cross Country Categoria Protótipo e vice-campeão geral.

Mais informações em: http://www.ingohoffmann.org.br/

 

A organização da Semana de Vela de Ilhabela 2017 adotou uma estratégia para evitar que o percurso das regatas desta terça-feira (11), no Canal de São Sebastião, beneficiasse mais os barcos com calados menores nas provas de barla-sota. Várias boias proibindo a aproximação às zonas mais rasas com menos correnteza, chamadas de baixio, foi colocada para as regatas do segundo dia de disputa. Na prática, os veleiros ficaram ’embolados’ na largada. ”Não tem aquela diferença de calado, favorecendo o barco menor de navegar mais e mais rápido próximo à ilha. Isso fica mais justo para todos”, explicou Cuca Sodré, juiz internacional de regata e organizador da Semana de Vela de Ilhabela.

A limitação do baixio foi aprovada pelas tripulações, principalmente para os que estão a bordo dos barcos maiores. ”A linha marcou bem o canal, deixando a regata bem interessante. Isso causou um tumulto na largada, com pequenos e grandes juntos. Antes os barcos pequenos tinham facilidade em entrar na parte rasa. Está tudo bem aberto”, contou Matheus Dellagnelo, tático do Miragem, atual campeão da classe ORC.

Segundo André ‘Bochecha’ Fonseca, tático do Pajero (barco que mede na ORC), a terça-feira de ventos de 12 a 15 nós de média foi especial para a modalidade, ou seja, ventos e sol. ”Mais uma vez esse grande gol da Semana de Vela de Ilhabela com duas regatas excelentes. Sempre surpreendendo velejar no canal. Teve muita emoção nas montagens de boia”.

Após o descanso na véspera, as 123 equipes voltaram à competir no litoral norte paulista em provas em três percursos. Dois barla-sota no Canal de São Sebastião e uma regata de percurso médio para as categorias Clássicos, Bico de Proa e RGS.

”Na quarta, a regata será no lado leste, na Ponta das Canas, que é uma raia mais aberta, mais fácil para todo mundo. Aqui no Canal de São Sebastião temos o baixio, que exige muita cambada, muitas manobras”, falou André Mirsky, do Neptunus HP.

Veja aqui os resultados do dia e o acumulado das oito classes do calendário da Semana de Vela de Ilhabela 2017.

Regatas desta terça-feira de HPE30 e C30

As classes de monotipo fizeram duas regatas cada nesta terça-feira. O melhor desempenho até agora é do Caiçara na categoria C30. Em segundo está o Caballo Loco. ”A classe C30 está nivelando mais os barcos, deixando a disputa mais equilibrada, apesar de ainda ter alguns favoritos, como o Caiçara. Foi um dia maravilhoso, com vento, sem correnteza. Ganhou quem manobrou menos (Caiçara), e o trecho de baixio praticamente definiu as provas”, Mauro Dottori, comandante Caballo Loco.

Na HPE30, o Neptunus HP assumiu a liderança com uma vitória e um terceiro lugar. O acumulado coloca Phoenix Mad Max e The Punisher em segundo e terceiro lugares, respectivamente.

”Depois da regata de Toque-Toque, fomos bem confiantes para as regatas de hoje, bem felizes. Nossa intenção é fazer uma boa média e nos mantermos entre os primeiros colocados durante a semana. Ganhamos a primeira regata, disputando com o Punisher. Na segunda, os argentinos cambaram muito e ficaram na nossa frente. Os barcos da HPE30 estão andando muito juntos. São barcos de fabricação bem perfeita, sem nenhuma diferença. Por isso, na largada, estão todos iguais”, disse André Mirsky, comandante do Naptunus.

A classe HPE 25 faz sua estreia na Semana de Vela de Ilhabela nesta quarta-feira (12). A prova de domingo (9), a Regata Renato Frankenthal, não valeu pontos para o evento.

(Foto: Aline Bassi / Balaio de Ideias)