Home Fotos
Featured posts

Os alunos da Escolinha de Triathlon Formando Campeões disputaram, neste domingo (8), a etapa de outono do Circuito de Renault de Triathlon 2017, em Caiobá (PR). Foram 10 triatletas do projeto entre os três primeiros colocados. Na prova de sprint, com distâncias de 750 metros de natação, 20 quilômetros de ciclismo e 5 quilômetros de corrida, destaque para Gabrielle Lemes e Alice Forti, que repetiram o resultado do Brasileiro de 2016 e fizeram dobradinha no feminino infantil. Na versão masculina, Pedro Boff e Cristian Fernandes fecharam a prova em segundo e terceiro lugares, respectivamente. ”Os triatletas começaram bem a temporada 2017 e os resultados da etapa de outono mostraram isso. Ficamos muito felizes! O trabalho já está surtindo efeito e o nosso objetivo é treinar as crianças para o Campeonato Brasileiro Infantil e o Campeonato Brasileiro de Duathlon Terrestre nos meses de junho e julho, respectivamente”, contou o sargento Ricardo Cardoso Júnior, coordenador do projeto.

Entre os triatletas de 13 a15 anos, o vencedor foi Mateus Oliveira Martinhaki, seguido por Pedro Henrique Gomes. Nathan de Macedo Hulse ficou em quarto. Maria Forti foi a vice-campeã na categoria de 16 a 19 anos do Circuito de Renault de Triathlon. Na versão masculina, Nicholas Cabral foi o quinto. Na categoria Open, com distâncias de 400 metros de natação,10 quilômetros de ciclismo e 2,5 quilômetros de corrida, os três primeiros foram da Escolinha de Triathlon Formando Campeões. Henrique Padilha Mendes, Adam Precybilovicz e Leonardo Zanon fecharam o pódio junto com João Vitor Mazorca, em quarto, e Sergio Felipe Ribas Pinto, em quinto.

Desde maio de 2015, o Colégio da Polícia Militar do Paraná é a base do projeto, que recebe diariamente 35 alunos da rede pública de ensino, visando inseri-los em um dos esportes ao ar livre que mais vem se popularizando nos últimos tempos. As crianças contam com todos os equipamentos necessários e são treinadas por especialistas na modalidade. As atividades respeitam a grade escolar e faixa etária de cada atleta mirim.

A Escolinha de Triathlon Formando Campeões foi viabilizada pela Lei de Incentivo ao Esporte, com apoio da Federação Paranaense de Triathlon e do Colégio da Polícia Militar do Paraná. Os patrocinadores são Condor, Grupo Astra e Santana Financeira.

Curta a Fã page – /Escolinha de Triathlon – Formando Campeões

Os triatletas paranaenses voltaram da Copa Pan-Americana de Sprint Triathlon, disputada neste sábado (1º), em Vargas, na Venezuela, com uma medalha de ouro e um quarto lugar. O vencedor da prova, que soma pontos para a classificação de Tóquio 2020, foi Kauê Willy com a marca de 59min10s. Eduardo Lass terminou em quarto lugar, apenas 12 da medalha de bronze.

”Foi uma prova que entrei com gana! Queria fechar bem o ciclo de treinos e competições do primeiro trimestre. Foi bem desgastante, pois estava um calor de 35 graus e muito vento contra. Dá mais vontade de treinar ainda mais para o futuro”, disse Kauê Willy, que volta a competir em maio no Campeonato Brasileiro e para uma turnê internacional. A modalidade Sprint tem 750 de natação, 20 de ciclismo e 5 de corrida.

Kauê Willy já havia sido quatro colocado na etapa Copa Pan-Americana de Sprint de Havana, em fevereiro, mesmo após uma queda nos treinos nos dias anteriores.

Quarto colocado com 1 hora e 7 segundos, Eduardo Lass fecha o primeiro trimestre com resultados positivos. Na avaliação do atleta, é o melhor início de temporada dele, que ficou entre os 10 em quase todas as provas que disputou.

A Seleção

O objetivo da Seleção Paranaense de Triathlon é lapidar e desenvolver os jovens talentos do estado. O projeto da FPTRI – Federação Paranaense de Triathlon foi viabilizado por meio da Lei de Incentivo ao Esporte do Governo Federal. Os patrocínios são da COPEL, SANEPAR e ELEJOR.

Sobre a COPEL

A Companhia Paranaense de Energia atua com tecnologia de ponta nas áreas de geração, transmissão e distribuição de energia, além de telecomunicações. Opera um abrangente e eficaz sistema elétrico com parque gerador próprio de usinas, linhas de transmissão, subestações, linhas e redes elétricas do sistema de distribuição e um moderno e poderoso sistema óptico de telecomunicações que integra todas as cidades do Estado. Efetua em média, mais de 70 mil novas ligações a cada ano, atendendo praticamente 100% dos domicílios nas áreas urbanas e passa de 90% nas regiões rurais.

Sobre a SANEPAR

A Companhia de Saneamento do Paraná – Sanepar é uma das maiores e mais eficientes do setor de saneamento do País, pronta para ampliar sua participação de mercado e a qualidade de seus serviços. A companhia atende 345 dos 399 municípios do Paraná e 289 distritos ou localidades de menor porte no estado, além de Porto União em Santa Catarina. A Sanepar presta serviços de fornecimento de água tratada, coleta e tratamento de esgoto sanitário e gerenciamento de resíduos sólidos. A empresa é referência no setor, por aliar eficiência operacional e resultados econômicos a uma sólida política socioambiental.

Sobre a ELEJOR

As Centrais Elétricas do Rio Jordão S.A. é uma sociedade de propósito específico criada para explorar o Complexo Energético Fundão Santa Clara, o qual opera com rígidos compromissos ambientais, promove grandes benefícios ecológicos, além de integrar diversos municípios e gerar renda. A ELEJOR vem se destacando no mercado de energia por suas ações sustentáveis e com isso conquistando o reconhecimento do setor e dos órgãos regulatórios.

Mais informações sobre a Seleção Paranaense de Triathlon no site: www.fptri.com.br

Após duas boas vitórias em Doha, Bruno Soares e Jamie Murray foram eliminados do Qatar ExxonMobil Open 2017. Contando com boa presença de público na quadra 1, que enfrentou o já temido vento frio do deserto, os cabeças de chave do torneio de duplas foram eliminados pelos franceses Jeremy Chardy e Fabrice Martin, por 7/6(3), 7/6(6).

Em duelo de muito equilíbrio, ambos os sets foram decididos em pequenos detalhes no “tie break”. Com o forte vento atrapalhando ambas as duplas, muitos erros não forçados foram cometidos durante a partida. Os franceses com um serviço mais eficiente levaram a melhor.

A dupla número 1 do mundo completa um ano de parceria fixa em Doha e repete o resultado de 2016, quando caiu para os espanhóis Feliciano Lopez e Marc Lopez. Na ocasião, a dupla espanhola conquistou o título do torneio. Os franceses não figuravam entre os favoritos ao título e surpreenderam os atuais campeões do Australian Open e US Open.

Chardy, que também disputou a chave de simples do Qatar ExxonMobil Open 2017, atualmente ocupa atualmente o posto 105 entre as duplas e Martin é o número 37.

Agora Murray e Soares embarcam para a Austrália com o foco no bicampeonato do Australian Open e depois seguem para Rio de Janeiro focando a disputa do Rio Open.

Em 2016, Soares também conquistou a façanha de vencer o torneio de duplas mistas, ao lado da russa Elena Vesnina. Com o resultado, Murray e Soares somam 90 pontos no ranking do ATP World Tour, mais a premiação de US$ 19,130.

A Onboard Sports cobre com exclusividade o Qatar ExxonMobil Open 2017 para o Brasil em parceria de conteúdo com a Qatar Tennis Federation. Contato em Doha: Eduardo Passos, edu@sportsmarketing.com.br. O Qatar ExxonMobil Open 2017 conta com o patrocínio de ExxonMobil, Masraf Al Rayan, Es’hailSat, Qatar Airways, Ooredoo e Qatar Duty Free. Direito autoral de imagens cedido pela QTF – Qatar Tennis Federation.

Siga as redes sociais oficiais do torneio:
Instagram: @QatarTennis
Twitter: @QatarTennis
Facebook: www.facebook.com/qatartennis

A organização da Semana de Vela de Ilhabela confirmou a inscrição do atleta olímpico Jorge Zarif, na edição deste ano do maior evento da modalidade da América Latina, que ocorre entre 1 a 9 de julho, no litoral norte paulista. O velejador, que defenderá o Brasil na Rio 2016 na classe Finn, fará um pit-stop na ilha para as regatas da categoria Star ao lado proeiro Arthur Lopes (Tutu). Jorginho, como é carinhosamente chamado pelos amigos, segue a tradição do pai Guga Zarif, que brilhou na semana de vela com o lendário Áries IV e também disputou as olimpíadas de Los Angeles (1984) e Seul (1988), também na Finn.

“Quero aproveitar três ou quatro dias da Semana de Vela para velejar com meu amigo Tutu. Não gosto de perder e vamos para cima. Falar com os amigos será uma rara oportunidade para mim nos últimos tempos. É importante. Durante a preparação olímpica tenho convivido com número reduzido de pessoas. E ao mesmo tempo estarei velejando, o que não deixa de ser um treino na raia de Ilhabela”, disse Jorginho.

Guga Zarif faleceu em 2008, aos 50 anos. Três anos antes conquistou a Semana de Vela de Ilhabela com barco Áries IV, com seu filho Jorginho entre os tripulantes. O garoto cresceu e se tornou uma das esperanças do Brasil na modalidade, sendo campeão mundial senior e junior da classe Finn na Estônia, em 2013.

Ele e Arthur Lopes venceram a Regata dos Campeões em homenagem ao pai de Jorginho no último domingo (19), no inédito Classic Sailing Festival. A classe Star faz parte do calendário de regatas da Semana de Vela de Ilhabela desde 2013. A categoria é a mais vitoriosa da vela nacional em olimpíada, mas não estará no calendário da Rio 2016. Nomes como Torben Grael, Marcelo Ferreira, Robert Scheidt e Bruno Prada medalharam em olimpíadas na classe.

As inscrições continuam abertas

Os tripulantes devem se inscrever no site oficial www.svilhabela.com.br. Até o dia 27 de junho o valor é de R$ 420. As tripulações dos veleiros que ficarem em seus clubes, em amarras próprias ou outros locais fora o Yacht Club de Ilhabela terão 20% de desconto no valor da inscrição.

Mais informações:
Site oficial – svilhabela.com.br
Facebook – semanadeilhabela
Twitter – svilhabela
Instagram – svilhabela
Youtube – Semana de Vela de Ilhabela

A regata que abre a Semana de Vela de Ilhabela no dia 3 de julho será a Mitsubishi Alcatrazes por Boreste Marinha do Brasil. A prova, com largada prevista para 10h, tem ao todo 55 milhas – quase 100 quilômetros. Tradicionalmente, os barcos contornam a ilha no meio do oceano Atlântico e retornam para o Yacht Club de Ilhabela (YCI) em mais de seis horas, no mínimo. ”É uma regata especial, que exige bastante atenção e escolhas das melhores rajadas de todas as equipes. Tecnicamente, a Alcatrazes de 2015 foi a mais difícil para os velejadores por causa das condições de vento. Ter uma regata de longo percurso dentro de um mesmo evento mostra a qualidade da Semana de Vela de Ilhabela”, disse o diretor de vela do YCI, Carlos Eduardo Souza e Silva.

Os barcos das classes ORC, IRC, BRA-RGS A e B e RGS SILVER farão a Mitsubishi Alcatrazes por Boreste Marinha do Brasil, no domingo (3). No mesmo dia, a Semana de Vela de Ilhabela promove a Regata Ilha de Toque-Toque por Boreste para C-30, HPE 30, Mini, Bico de Proa, Clássicos e BRA-RGS C. Para os HPE25 e J70 será disputada a Regata Renato Frankenthal

Em 2015, os fortes ventos de 60km/h e ondas de dois metros quase cancelaram a regata para Alcatrazes. Dos 60 que fizeram o percurso, 38 abandonaram. O Fita Azul – aquele que chega em primeiro lugar – foi o Camiranga, que ainda estabeleceu o recorde para a prova com 6h04min03s. Para a classe RGS, o tempo mais rápido da história está com o Inaê Transbrasa, com 9h34min37. ”Por toda a exigência da regata, tradicionalmente o dia seguinte a Alcatrazes é dedicada ao reparo dos barcos e até descanso dos velejadores. Esperamos mais uma prova bem difícil para todos, dos profissionais aos amadores”, disse o organizador da prova, Cuca Sodré.

Formado por 13 ilhas e ilhotas, o arquipélago de Alcatrazes é considerado o maior berçário de aves marinhas do sudeste brasileiro. São mais de 20.000 aves no local, que em terra tem a vegetação típica de Mata Atlântica. A história diz que seus primeiros moradores foram os índios tupinambás, batizaram o local de Uraritã – terra de aves.

As inscrições continuam abertas

Os tripulantes devem se inscrever no site oficial www.svilhabela.com.br. Até 20 de junho, o custo será de R$ 320 por velejador. De 21 a 27 de junho passa a ser de R$ 420. As tripulações dos veleiros que ficarem em seus clubes, em amarras próprias ou outros locais fora o Yacht Club de Ilhabela terão 20% de desconto no valor da inscrição.

Mais informações:
Site oficial – svilhabela.com.br
Facebook – semanadeilhabela
Twitter – svilhabela
Instagram – svilhabela
Youtube – Semana de Vela de Ilhabela

Foto: Eduardo Grigaits

O skatista JP Oliveira conseguiu um importante resultado na sua carreira. O atleta de São José dos Campos (SP) venceu o campeonato de Best Trick da Nike SB Rota Panamericana, turnê pela América Latina da modalidade, que tem Brasil, Argentina, Peru e México como cidades-sede. O evento de street levou muita gente ao Ginásio Mauro Pinheiro, no Ibirapuera, em São Paulo (SP), nesta quarta-feira (13) que pode ver de perto alguns grandes nomes do skate mundial do time da Nike SB, como Nyjah Huston, Paul Rodriguez e Shane O’Neill, ao lado dos brasileiros Luan de Oliveira, Letícia Bufoni, Carlos Ribeiro, Cezar Gordo, Yuri Facchini e Gabriel Fortunato. O jovem de 22 anos que ainda corre no amador fez a melhor manobra entre os 16 skatistas convidados para as sessões.

”Eu já estava super feliz por ter sido convidado para participar desse campeonato e fiquei animado também, pois o evento tem uma grande importância internacional. Quando cheguei ao ginásio não imaginava que era tão grande. Tinha um público gigantesco, a pista estava animal e era o tipo de pista que eu gosto de andar, com o corrimão grande descendo, bordas, escadas… Até agora eu não estou conseguindo acreditar”, comemorou JP Oliveira.

Para vencer o Best Trick, o JP acertou um 360 nosebluntslide no corrimão, uma manobra complicada de acertar. O skatista ganhou de surpresa uma passagem para a Califórnia, nos Estados Unidos.

JP Oliveira tem 22 anos e busca profissionalização no skate. O atleta de São José dos Campos (SP) morou seis anos em Los Angeles, nos Estados Unidos, onde ganhou experiência na modalidade street. Entre os campeonatos amadores vencidos por ele destaque para o Nike LA 2014 street.

Mais informações no Instagram @jp_oliveira e no site www.youp.com.br

A meta de Eduardo Lass (Tradener) para o domingo (3) é simples: Vencer a primeira etapa do Campeonato Paranaense de Sprint Triathlon, em Guaratuba, litoral paranaense. A competição terá um percurso de 750 metros de natação, 20 quilômetros de ciclismo e 5.000 metros de corrida, o que vai exigir muita concentração e velocidade do curitibano nas três modalidades.

“Minha expectativa para a prova é a melhor possível. A rotina das últimas semanas foi intensa, com ciclismo pela manhã, natação à tarde e corrida no final do dia pra fechar, depois disso tudo descanso e uma boa noite de sono para prevenir lesões e acordar disposto no dia seguinte. A única maneira de conquistar aquilo que almejamos é dedicar-se 100%. Assim, tenho trabalhado duro, focado nos objetivos e espero carimbar mais essa vitória na minha carreira”, contou o triatleta beneficiado pela Lei de Incentivo ao Esporte.

Uma semana após de competir em Guaratuba, o 3º sargento da FAB encara mais um desafio de alto nível. No dia 9 de abril, o paranaense disputa o Campeonato Brasileiro de Triathlon Olímpico, em João Pessoa, na Paraíba.

Eduardo Lass começou no triatlo aos 11 anos de idade e mesmo novo acumulou títulos importantes nas categorias de base, como os de campeão do Troféu Brasil e do Brasileiro Olímpico, além de duas medalhas de ouro e duas de prata em competições na França. Integrante da Seleção Brasileira de Triathlon por 4 anos consecutivos, o jovem faz parte do programa do governo Paranaense TOP 2016 e está disputando os principais eventos nacionais e internacionais buscando uma boa colocação no ranking mundial. O ano de 2015 foi um dos melhores da carreira do curitibano e entre os principais resultados estão a medalha de prata no triatlo masculino por equipes dos Jogos Mundiais Militares e o bronze na Copa Continental de Triathlon no Equador. O atleta de 24 anos é patrocinado pela Tradener Comercialização de Energia.

Mais informações sobre Eduardo Lass no site: www.eduardolass.com
Siga também no Twitter: @EduardoLass
Veja as fotos do triatleta no Instagram: @eduardolass
Curta a fan page oficial do atleta: www.facebook.com/eduardolass.triatleta 

Foto: Romulo Cruz

O período de tratamento do câncer infantil é um momento bastante delicado, tanto para a família quanto para os pequenos pacientes, que sonham com um futuro alegre e mais sadio. Visando proporcionar mais qualidade de vida para crianças, jovens e seus familiares em uma fase tão complexa, o Instituto Ingo Hoffman, por meio do projeto “Famílias do Instituto em Ação, beneficiado pela Lei de Incentivo ao Esporte, oferece um ambiente seguro para a pratica esportiva e um espaço recreativo diferenciado, tornando mais fácil vencer os obstáculos do dia-a-dia e, consequentemente, curar a doença.

Os detalhes sobre esse projeto pioneiro, iniciado em 2015, podem ser vistos em um vídeo exclusivo divulgado nas redes sociais. Famílias contam toda experiência positiva adquirida no espaço em Campinas, que inclui aulas de pilates, ginástica ao ar livre, com esteiras e bicicletas ergométricas e a supervisão de profissionais de educação física, além de atividades lúdicas para a criançada deixar de lado a tristeza e abrir espaço para as risadas e para o aprendizado.

Assista ao vídeo aqui –> https://www.youtube.com/watch?v=I4XqE2nfTZM

O Instituto

O Instituto Ingo Hoffmann é uma entidade beneficente sem fins lucrativos, que leva o nome do piloto, um dos maiores do automobilismo nacional. Fundado em 2005, o instituto tem a missão de oferecer mais conforto e qualidade de vida às crianças em tratamento do câncer e suas respectivas famílias. Em parceria com o Centro Infantil Boldrini, hospital referência mundial no tratamento do câncer infantil, o Instituto Ingo Hoffman é responsável pelo projeto Casa da Criança e da Família, que abriga as crianças em tratamento intensivo e que não têm condições de serem mantidas por suas famílias fora de suas casas.

Localizado em Campinas, no interior de São Paulo, o Instituto proporciona todo o suporte necessário para as crianças, como acompanhamento individual, emocional, além de oferecer um espaço que, além da moradia, inclui ampla área para interação, realização de eventos e atividades esportivas.

Ingo Hoffman

Ingo Hoffmann é uma das referências do automobilismo brasileiro, com passagens pela Fórmula 1 e Stock Car. Começou a correr em 1972 e teve passagens por categorias europeias, F-3 e F-2, até chegar a Fórmula 1, em 1976, pela equipe Fittipaldi Copersucar. Em 1979, na primeira temporada da categoria, estreou na Stock Car, onde detém 12 títulos, 76 vitórias e 60 pole positions. No ano de 2004, sagrou-se vice-campeão do Rally dos Sertões, a maior e mais difícil prova Off-Road da América Latina. Em 2006, foi bicampeão brasileiro de Rally Cross Country Categoria Protótipo e vice-campeão geral.

Mais informações em: http://www.ingohoffmann.org.br/

A nadadora Jessica Bruin está pré-selecionada para a Olimpíada de 2016 na prova dos 200 m livre. Em dezembro de 2015, na disputa do Open de Palhoça (SC) – primeira seletiva olímpica na natação, a atleta do Sesi-SP nadou pela primeira vez abaixo dos dois minutos na sua prova favorita, fazendo 1min58s77. O resultado a coloca como a segunda do País para compor o revezamento 4×200 m livre em agosto no Rio de Janeiro. Em abril, no Troféu Maria Lenk, a mineira tentará confirmar a vaga e também pegar o índice para o individual que é de 1min58s96.
Clique ao lado e veja o vídeo da prova dos 200 m livre do Open 2015 –> https://youtu.be/mQt9jOKYOzw. As imagens foram cedidas pelo Sesi-SP