Aline Silva escreve ao Lance!

0
Aline Silva escreve ao Lance!

A atleta de wresling, Aline Silva, contou ao Lance! desta terça-feira (12) sobre sua preparação para os Jogos Pan -Americanos de Lima, no Peru.

De olho no Pan-Americano

Oi pessoal do Lance! Eu estou de volta depois de uma trombose em 2017, que tive quando estava retornando do intercâmbio que fiz nos Estados Unidos, fiquei seis meses parada me recuperando. Eu voltei a disputar um torneio internacional em 2018, quando participei do campeonato Pan-Americano, no Peru, em maio.

Na primeira luta depois da trombose, a atleta que estava lutando comigo fez um ataque de perna, defendi, mas dessa vez algo deu errado e eu rompi diversos ligamentos do joelho. E eu precisava conquistar a vaga para os jogos Pan-Americanos.

Eu voltei a competir antes de fazer a cirurgia por conta da lesão, justamente nos jogos sul-Americanos em Cochabamba. Lá eu fiquei em segundo lugar e garanti a vaga nos jogos Pan-Americanos. Em junho, operei e foram oito meses de recuperação. Agora estou pronta para voltar, daqui um ano já começam os Jogos Olímpicos e o nosso qualificatório será em setembro, no Cazaquistão.

Estou ansiosa para voltar e pronta para lutar pela vaga. No tempo que fiquei fora não podia competir, mas podia treinar. Uma amiga minha do Canadá veio se preparar comigo porque ela terá sua seletiva nacional e eu precisava voltar ao ritmo de competição.

Outro aspecto que está me ajudando nessa volta é a dança. Eu tenho feito dança de salão em Santos na academia aero Dança, uma das mais tradicionais. Isso tem me ajudado muito com a ponta de pé, os giros em cima da perna da cirurgia, que antes eram movimentos complicados e agora consigo fazer bem.

Estou lutando para tentar entrar em um campeonato Pan-Americano, que será em abril, na Argentina. No Brasil, no mês de março não temos campeonato. Então será bom ir para pegar ritmo. Depois de tanto tempo fora, mudou algumas regras, a categoria e eu preciso muito lutar e sentir isso tudo.

O problema é que a Confederação diz que não cumpri um critério, que foi participar de uma seletiva em janeiro. Mas eu sou a melhor atleta do Brasil na minha categoria, e só não participei porque estava machucada e com atestado. Eu pretendo conquistar a vaga lutando dentro e fora do tatame.